PCP afirma que a Providência Cautelar é despromovida de qualquer fundamento
Publicado | 2020-08-26 19:15:25
 
Segundo o PCP, a providência cautelar agora divulgada “é desprovida de qualquer fundamento só justificável pelo que visa de animação artificial da campanha reaccionária contra a Festa do Avante.”
 
O deputado do PCP  eleito por Beja, João Dias em declarações à Planície, referiu que o partido “já tornou pública a sua posição em relação a esta Providência Cautelar. Ela é desprovida de fundamento, na verdade não há ilegalidade nem injustiça nenhuma comparativamente com qualquer outro evento desta natureza. Tem sido muito difundida a ideia de que estão proibidos festivais de Verão e eventos culturais, a verdade é que não estão proibidos. A população tem sido um pouco iludida nesse sentido.”
O parlamentar acrescentou que “ a Festa do Avante cumpre com aquilo que são os normativos e as leis em vigor. O PCP tem tido uma preocupação muito grande relativamente às medidas sanitárias e de segurança de uma festa. Nós queremos dar o exemplo pela positiva, um exemplo de confiança. Vamos cumprir as medidas sanitárias, é preciso continuar a viver, continuar a lutar para termos condições de saúde e de rendimento. É possível em segurança e condições seguir a vida.”
João Dias sublinha ainda que “temos assistido a um ataque feroz à Festa do Avante, não é novo, é por parte daqueles que sempre o fizeram independentemente de haver ou não epidemia.”
Para o PCP,  realizar a Festa do Avante é, nestas circunstâncias,” uma grande afirmação do estímulo à actividade, à cultura, à arte, ao desporto, ao convívio, ao lazer, à intervenção política, à solidariedade, à fruição da vida, hoje essenciais à saúde e ao bem estar da população.”

 



Leia esta notícia na integra na edição impressa do Jornal «A Planície»
Untitled Document Untitled Document Untitled Document
27 24
13 12
 
 
 
 
 
 
 
 
Untitled Document
 
    © 2015 - Sociedade Editorial Bética, Lda