CNA e CAP defendem intervenção portuguesa, espanhola e da UE para travar “presunto ibérico americano”
Publicado | 2020-08-23 19:33:20
 
As confederações Nacional da Agricultura (CNA) e dos Agricultores de Portugal (CAP) defenderam a intervenção dos governos português, espanhol e da UE na protecção do porco e presunto ibéricos, a confirmar-se o uso abusivo destas denominações nos EUA.
 
Em causa está a importação, por duas empresas norte-americanas, de porcos pretos da Península Ibérica para fabricarem, nos estados do Texas e da Geórgia, aquilo que designam de “presunto ibérico americano”.
Em declarações à agência Lusa, o dirigente da CNA João Dinis considerou que, “a confirmar-se esse tráfico que adultera na origem um produto de qualidade reconhecida – o porco ibérico, uma raça autóctone, e os seus derivados, particularmente o presunto – é mais uma má consequência do sistema”.
Salientou ainda que “o credenciado presunto ibérico tem a ver não só com a forma como os animais são gerados, com a sua linha genética (que, no caso de uma raça autóctone, é algo que é preciso assegurar), mas também com o seu ‘habitat’ e as suas condições de crescimento”, João Dinis considerou ser “muito difícil convencer alguém de como se produzem porcos ibéricos nos EUA”.
Também para o secretário-geral da Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP), Luís Mira, não é o facto de se importarem porcos pretos ibéricos para os EUA que vai substituir a produção autóctone deste animal e dos seus derivados.
“Eles podem levar os porcos pretos para os EUA ou para onde quiserem. Mas isso era a mesma coisa que levar as castas de uva de Champagne ou de vinho do Porto e dizer que é vinho feito nos EUA. Podem fazer um enchido ou um qualquer presunto americano, mas nunca é um presunto de bolota ibérico, porque isso é uma denominação de origem que está protegida”, afirmou em declarações à Lusa.

 



Leia esta notícia na integra na edição impressa do Jornal «A Planície»
Untitled Document Untitled Document Untitled Document
25 25
16 15
 
 
 
 
 
 
 
 
Untitled Document
 
    © 2015 - Sociedade Editorial Bética, Lda