Projecto de Criação de Cuidados Paliativos no Hospital de Beja
Publicado | 2020-08-06 03:59:36
 
Foi criada uma proposta para a criação de uma Unidade de Cuidados Paliativos no Hospital José Joaquim Fernandes, em Beja.
 

José Jorge Munhoz Frade, da Competência em Gestão de Unidades de Saúde pela Ordem dos Médicos, em comunicado refere que o projecto surge "devido à insuficiente capacidade de resposta da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados -  RNCCI e refere que a unidade mais próxima, com tipologia de Convalescença, existe em Serpa e está sempre lotada”.

O projecto vai ser entregue à Comissão Parlamentar de Saúde para apreciação.

O deputado do PCP eleito por Beja, João Dias, que também faz parte da Comissão de Saúde, referiu à Planície que “partilhamos das preocupações que o Drº Frade levanta, relativamente aos cuidados paliativos. Não só no nosso Distrito, mas também no País inteiro, há uma forte carência absoluta, daquilo que são as respostas. No Distrito de Beja, apenas temos uma unidade com poucas camas, (10), o que faz com que a resposta para quem precisa desses cuidados seja muito diminuta. Faz todo o sentido que o Hospital Distrital de Beja, tenha uma unidade de cuidados paliativos, para responder às necessidades, que muitas das vezes surgem no próprio hospital”.

O parlamentar adiantou ainda que “se for pedida uma audiência à Comissão de Saúde, teremos a maior receptividade a essa iniciativa. De qualquer das formas é sempre importante respeitar toda aquela que é  a organização e a orgânica dos cuidados paliativos, nomeadamente criar respostas públicas em termos dos cuidados continuados e dos paliativos. As unidades na sua maioria, (+90%), são ou privadas ou do sector social, pertencentes à Misericórdia, como é o caso de Serpa. Nos achamos que deve haver uma resposta pública e criar uma em Beja, faz todo o sentido, independentemente de o projecto ser do Drº Frade ou outro projecto, até mesmo da Administração, que já deveria ter tomado essa iniciativa”.

A  equipa autora deste projecto  considera que "principalmente pela proximidade, a possível existência no Hospital de uma Unidade de Cuidados Paliativos agilizaria o actualmente lento processo de transição de doentes da Medicina Interna para esse nível de cuidados de saúde, beneficiando prioritariamente os que necessitam de cuidados paliativos de elevada complexidade”.

 



Leia esta notícia na integra na edição impressa do Jornal «A Planície»
Untitled Document Untitled Document Untitled Document
25 25
16 15
 
 
 
 
 
 
 
 
Untitled Document
 
    © 2015 - Sociedade Editorial Bética, Lda