Perda turística do Alentejo é "brutal e catastrófica" - Vítor Silva
Publicado | 2020-07-21 09:10:48
 
A entrada de turistas espanhóis em Portugal após a reabertura das fronteiras está "muito abaixo das expectativas", o que "penaliza especialmente" o Alentejo, assumiu hoje o presidente da Agência Regional de Promoção Turística, Vítor Silva.
 

Em declarações à agência Lusa, o responsável considerou que a perda turística do Alentejo é "brutal e catastrófica", apesar de esta ser "a região que menos sofre" com a quebra generalizada provocada pela pandemia de covid-19, que segundo o último relatório do Instituto Nacional de Estatística (INE) é "superior a 90% a nível nacional".

"No Alentejo, a quebra está nos 80 e tal, perto dos 90%", afirmou o presidente da Agência Regional de Promoção Turística (ARPT).

Lembrando que "o primeiro mercado" turístico do Alentejo é o espanhol, representando cerca de 20% do total de turistas estrangeiros na região, à frente dos americano e brasileiro, "que são importantíssimos", Vítor Silva rejeitou que a ausência de corredores aéreos internacionais com destino a Lisboa seja o fator determinante para a quebra turística na região.

Devido à pandemia de covid-19, por decisão conjunta dos dois países, a fronteira luso-espanhola esteve encerrada durante três meses e meio, entre os dias 17 de março e 30 de junho, com pontos de passagem exclusivamente destinados ao transporte de mercadorias e a trabalhadores transfronteiriços.

"O turista espanhol vem, sobretudo, de carro e temos informações quotidianas que mesmo nas cidades e vilas fronteiriças o número de espanhóis é muito reduzido. É uma questão psicológica, as pessoas têm medo de viajar e o turismo é muito sensível às questões de segurança, não apenas a sanitária. Enquanto não houver uma vacina ou tratamento, é difícil fazer previsões", disse Vítor Silva.

E a chegada de turistas estrangeiros ao Alentejo será especialmente importante "a partir de outubro", uma vez que, apesar de a região continuar a "apostar muito nos turistas portugueses", o presidente da Entidade Regional de Turismo (ERT) do Alentejo e Ribatejo admitiu que o turista estrangeiro "é decisivo" para a região.

Questionado pela Lusa sobre se o turismo nacional seria suficiente para manter o setor na região, António Ceia da Silva foi taxativo a sublinhar que o Alentejo "precisa sempre do turismo internacional".

"O nosso turismo é 65% de portugueses e 35% de estrangeiros. É verdade que não precisamos tanto como outras regiões do país, mas é decisivo, ainda mais a partir de outubro, porque até finais de setembro ainda temos os turistas portugueses", disse o responsável.

António Ceia da Silva alinha pelo mesmo discurso de Vítor Silva, quando afirma que "não é possível fazer qualquer tipo de planeamento em tempos de pandemia", explicando que "há muitas reservas canceladas", porque as pessoas ainda "têm muito a perceção de medo", mas garantiu que, "felizmente, há mais reservas de última hora".

Ainda assim, falou de uma dicotomia acentuada nas taxas de ocupação na região, que não se explica com diferenças entre litoral e interior, mas sim com a existência de "zonas rurais mais tranquilas e recatadas que estão completamente cheias".

"Há zonas com excelentes taxas de ocupação, acima de 80%, e outras que passam por momentos difíceis. Podemos falar de uma tipologia de unidades mais rurais, tipo monte alentejano, e embora a região não tenha unidades hoteleiras com muitos andares, Évora sofreu um pouco pelo que foi a pandemia e o surto de Reguengos de Monsaraz, mas este está completamente controlado e ambas as cidades podem vir a melhorar as taxas de ocupação", analisou Ceia da Silva.

Nesse sentido, o presidente da ERT do Alentejo e Ribatejo referiu que tem vindo a ser feito "um grande trabalho para demonstrar que a região é segura", do qual fazem parte a "certificação sanitária e sessões de esclarecimento aos empresários" do setor turístico para comprovar que "a região é segura e está preparada" para receber os turistas em contexto de pandemia.

Por sua vez, Vítor Silva lembrou o trabalho desenvolvido pelo Turismo de Portugal na criação do selo 'Clean & Safe', que vai ser "fundamental em todas as unidades" apesar dos "custos acrescidos" que acarreta para os cerca de 300 sócios da Agência Regional de Promoção Turística do Alentejo.

"As próprias plataformas de reservas vão ter de incorporar estes dados na informação que têm das unidades, pois as pessoas vão procurar as condições de segurança, quantas vezes os quartos são limpos, se os restaurantes e as piscinas da unidade têm condições de distanciamento", enumerou Vítor Silva.

E apesar de considerar que "a confiança é a chave disto tudo" e de lembrar que a agência regional já teve de "reformular duas vezes todos os planos", desde o início da pandemia, porque "a situação evolui de tal maneira que a isso obriga", Vítor Silva assegurou que há campanhas preparadas para "iniciar logo que seja possível convidar as pessoas para virem".

"Tem havido campanhas no sentido de que não se esqueçam de nós e temos uma campanha preparada para lançar no mercado espanhol a partir de setembro", adiantou o presidente da entidade responsável pela promoção turística do Alentejo no estrangeiro, lembrando que todos os planos estão "sujeitos a alterações" de última hora no atual contexto.

No plano interno, António Ceia da Silva lembrou, por seu vez, que a ERT está "a trabalhar no terreno todos os dias" e referiu que há uma campanha em curso para lembrar aos portugueses que "há um lugar onde podem viver tranquilamente os seus dias de férias e esse lugar é o Alentejo".

"A campanha tem como subtítulo 'perto de si, longe da multidão' e é muito feliz. Diria que é uma campanha de ativação de marca. Pelo que tem sido comentado, acho que está a funcionar muito bem. Mesmo que não capte turistas no imediato, resulta na afirmação do território", defendeu Ceia da Silva.

Lusa

 



Leia esta notícia na integra na edição impressa do Jornal «A Planície»
Untitled Document Untitled Document Untitled Document
36 37
21 18
 
 
 
 
 
 
 
 
Untitled Document
 
    © 2015 - Sociedade Editorial Bética, Lda