“Movimento Chão Nosso” apresenta hoje manifesto ambiental em defesa do Alentejo
Publicado | 2020-07-08 04:51:53
 
O Movimento Chão Nosso em comunicado vem realçar a sua preocupação pelo ambiente no Alentejo salientando que “A agricultura intensiva que, nas últimas décadas, tem surgido pelos campos do Alentejo está a comprometer a vida neste território. Entendemos que devem ser acautelados os impactes que se começam a manifestar, na conservação do solo, na qualidade da água superficial e subterrânea, na saúde humana e na perda de biodiversidade e da identidade regional”.
 

Em declarações à Planície, Inês Fonseca, do Movimento Chão Nosso, diz "Tratar-se de um movimento que vai lançar um manifesto em defesa do território do Alentejo. Nos últimos anos temos vindo a assistir a um surgimento e a uma expansão excessiva de agricultura Intensiva e Superintensiva que está a comprometer a vida e o futuro do nosso território”. Acrescenta que “Os nossos objectivos passam por desenvolver linhas de trabalho técnicas, para que possamos dar a volta à situação, criar e delinear ao mesmo tempo outros caminhos. As pessoas vêm fazendo sucessivas queixas relativo a problemas que vão sentindo nas suas localidades, e depois não há respostas para dar às mesmas.

A responsável deste movimento termina, dizendo que “Não sabemos se esta situação é ou não prejudicial à saúde, e é aí que nós procuramos obter respostas para dar às pessoas, visto que é esse o nosso objectivo”.

Este movimento apresenta, hoje, dia 8 de Julho, em Beja, o Manifesto Público em defesa da cultura, património e biodiversidade do Alentejo.

 



Leia esta notícia na integra na edição impressa do Jornal «A Planície»
Untitled Document Untitled Document Untitled Document
29 30
13 12
 
 
 
 
 
 
 
 
Untitled Document
 
    © 2015 - Sociedade Editorial Bética, Lda