Covid-19 - Turismo "seguro" no Alentejo - António Seia da Silva
Publicado | 2020-04-27 03:35:06
 
Ainda pouco se falava de selos de garantia sanitária para as unidades hoteleiras e já o Turismo do Alentejo e Ribatejo preparava uma certificação para os estabelecimentos da região que garantissem condições de segurança sanitária.
 
António Ceia da Silva, presidente da Entidade Regional de Turismo do Alentejo e Ribatejo, na Web Conferência do Publituris que teve o futuro do turismo da região como tema de debate, salientou que a entidade já está “há um mês a trabalhar na questão da segurança sanitária”.

O responsável explicou que a certificação dos agentes turísticos da região sempre fez parte da estratégia de posicionamento de qualidade do destino e que, já há algum tempo, que a ERT vinha a efectuar a certificação  da restauração, do alojamento, e estava a trabalhar na certificação do Turismo em Espaço Rural no período pré-COVID-19. Para Ceia da Silva era óbvio que “a questão dessa percepção de segurança por parte do turista seria essencial para o conquistarmos” no momento da retoma. Foi assim que o Turismo do Alentejo e Ribatejo avançou nesta iniciativa de certificação da segurança sanitária. “Estamos a trabalhar com a própria Secretaria de Estado, Turismo de Portugal, AHP, APECATE, AHRESP e a DGS no sentido de criarmos de facto esse modelo de certificação sanitária”, revela, sublinhando que a mesma deve ser diferente e ajustada à realidade de cada região turística e aos diferentes tipos de alojamento turístico e restantes atores da atividade turística.

Ceia da Silva considera ainda que “quando falamos de certificação entendemos que devia ser mais ampla, porque tem de chegar ao Turismo em Espaço Rural, porque vai ser, na minha opinião, bastante procurado nesta fase”.
Esta certificação do Turismo do Alentejo e Ribatejo deve estar em ação no prazo de 15 dias, perspetiva o responsável. “Estabelecemos timings muito rigorosos”, realça.

Perante esta situação de distanciamento social e numa fase em que a procura por locais com grandes aglomerados se perspectiva que seja menor, Ceia da Silva considera que a região tem aqui uma oportunidade e vantagem. “O Alentejo e esta zona da Lezíria têm vantagens comparativas em relação ao resto do país. Em primeiro lugar, porque tem poucos casos [de Covid-19] e porque é uma região de horizonte, de tranquilidade, não é uma região de grandes aglomerados em comparação com outros destinos, que beneficiaram muito dessa concentração urbana durante alguns anos, mas que neste momento temos essa vantagem comparativa”.

Para o presidente da entidade, é essencial que o mote promocional do destino esteja centrado na comunicação da segurança sanitária do mesmo, sejas pelas redes sociais ou pelos sites também dos estabelecimentos de alojamento turístico. As unidades devem ter “como principal preocupação transmitir ao cliente os critérios e tudo aquilo que está a ser feito em termos de segurança sanitária na sua unidade e depois a sua certificação. Tudo isso serão motivos para transmitir confiança ao turista que queira visitar”.

Esta transmissão de segurança e confiança ao turista que pretende visitar o Alentejo e Ribatejo é estratégia unânime entre os restantes profissionais que integraram o painel da Web Conferência do Publituris. Miguel Melo Breyner, diretor-geral do Évora Hotel, salientou que  “somos dos setores mais bem preparados para agora tratar desta segurança sanitária e temos de passar esta imagem aos nossos clientes. Temos que ter formação e medidas definidas, temos que reabrir moderadamente e transmitir esta confiança.” Entre as medidas que a unidade hoteleira pode vir a adotar, o responsável hoteleiro deu alguns exemplos que estão a ser pensados, desde o check-in e check-out online, a desinfeção da bagagem dos hóspedes à chegada, o bufet assistido ou os pequenos-almoços servidos e até mesmo nos quartos.

Também João Dias, proprietário do Restaurante Taberna Quarta-feira, em Évora, defende que “as pessoas querem vir ao Alentejo e temos de trabalhar para essas pessoas, garantindo a confiança e que se sintam seguras. E esse é o trabalho que temos que fazer”. Para o empresário, o investimento no seu estabelecimento para adaptá-los às novas medidas sanitárias que possam vir a ser implementadas não é a principal preocupação, mas sim “garantir essa segurança às pessoas, se tivermos de fazer o investimento fazemos, mas o que é importante é termos o Alentejo com pessoas”.
Já Marta Cabral, presidente da direção da Associação Rota Vicentina, vai mais longe. A responsável salienta o bom exemplo das empresas turísticas portuguesas terem fechado antes mesmo de serem obrigadas a fazê-lo e frisa que, enquanto país, é importante “continuar a mantermo-nos bastante unidos politicamente e socialmente”.  E explica que as medidas a adotar não podem “atropelar uns valores em nome dos outros”, pois, “haverá públicos-alvo que requerem mesmo segurança absolutamente extraordinária e que estão disponíveis para ir para um alojamento ou restaurante cheio de máscaras, termómetros, porque precisam dessa segurança”. E, por outro lado, “haverá públicos que agradeceriam que essa segurança estivesse nos níveis mínimos exigidos e que a partir daí houvesse um ambiente o mais natural possível”, refere, explicando que esta não é uma gestão evidente de se fazer”.

Mercado interno com nova campanha dedicada
O Turismo do Alentejo e Ribatejo vai lançar no final do próximo mês de maio e início de junho um “grande plano de promoção no mercado interno”.Segundo Ceia da Silva, esta campanha visa transmitir “essa sensação de confiança, de segurança ao turista e aquilo que somos, uma região única que reúne um arco-íris de oferta, património ao outdoor, as atividades de Turismo natureza, as praias, ao Alqueva. É uma região com excelente gastronomia e um bom vinho”.

O responsável refere que a entidade pretende combater o medo e a insegurança que se vive atualmente “transmitindo confiança e essa sensação que a pessoa pode vir passar uns dias descontraídos e evitar tomar comprimidos para a depressão, que o melhor antidepressivo que existe é visitar o Alentejo”. Além de que, a região vai também lançar “um conjunto de projectos que tínhamos concluído, como a rede de cycling, walking, como as rotas de património cultural e imaterial”. Ou seja, esclarece, “existem hoje um conjunto de projectos que o Alentejo tem finalizado com um site diferenciador para apresentar em maio”.
“Temos que ter esperança e sermos nós a transmiti-las e já condições para que o turismo possa retomar este verão, dentro de novas condições e novos parâmetros de segurança sanitária”, conclui.

Publituris
 



Leia esta notícia na integra na edição impressa do Jornal «A Planície»
Untitled Document Untitled Document Untitled Document
20 19
13 11
 
 
 
 
 
 
 
 
Untitled Document
 
    © 2015 - Sociedade Editorial Bética, Lda