Covid-19 - Hospital de Évora reconfigura espaços e adopta novas medidas de segurança
Publicado | 2020-04-26 05:57:27
 
A pandemia de covid-19 obrigou o Hospital do Espírito Santo de Évora (HESE) a por "mãos à obra" para reconfigurar espaços para os doentes infetados com o novo coronavírus e adotar mais medidas de segurança.
 

A unidade hospitalar alentejana adaptou-se e criou dois circuitos distintos, um para casos suspeitos e confirmados de infeção pelo novo coronavírus (SARS-CoV-2) e o outro para os restantes doentes.

Todos os pacientes passam pelo posto de triagem primário, instalado em contentores colocados junto ao edifício do hospital, onde estão um enfermeiro e um médico, que fazem a separação dos casos.

Os que não são suspeitos seguem para a urgência geral e os que podem estar infetados pelo novo coronavírus e tiverem sintomas são encaminhados para a "urgência covid", que foi criada no espaço onde eram realizados os exames especiais.

A "urgência covid" conta com quatro quartos, um deles com pressão negativa e equipamentos que permitem a entubação e a reanimação, e ainda um espaço aberto para doentes instáveis, podendo ter até 10 pacientes em simultâneo.

Este espaço sofreu algumas alterações, como a abertura de pequenas janelas nas portas para permitir a observação dos doentes sem entrar.

É nesta área que os doentes aguardam pelos resultados dos testes e no dia em que a Lusa visitou o hospital estavam nestas circunstâncias cinco pessoas, homens e mulheres, todas com mais de 70 anos.

Quando um doente é transferido da "urgência covid" para a enfermaria ou para os cuidados intensivos, o percurso é fechado para a sua passagem e são colocadas baias de proteção, sendo usado um elevador exclusivo.

No laboratório, existe uma caixa com a palavra "covid-19", junto à entrada, onde são colocadas as amostras, que são recolhidas e levadas por um técnico para análise numa pequena divisão, com pressão negativa e fechada a "sete chaves".

O trabalho no laboratório, afirma à Lusa a diretora do serviço de patologia clínica, Filomena Caldeira, está a correr bem, com o esforço dos profissionais, apesar da existência de "alguns condicionalismos de espaço".

Este serviço, refere, faz "à volta de 70 a 80" testes por dia e chegou a fazer mais de 100, quando dava resposta aos outros hospitais do Alentejo, estando a prestar ainda apoio a estes e à Universidade de Évora na realização de testes nos lares de idosos.

A unidade hospitalar tem 24 camas para o internamento de doentes com covid-19 em duas enfermarias, uma no quarto piso, onde era a convalescença, e outra, no terceiro, que funcionou como cirurgia 2, que não está a ser utilizada.

 

Com a pandemia, o HESE passou a ter duas unidades de cuidados intensivos, uma para doentes com covid-19, com oito camas, e outra polivalente para pacientes com outras patologias, que possui quatro camas.

No início da pandemia em Portugal, o hospital criou uma "task force" para analisar e decidir, em permanência, questões relacionadas com a covid-19, que integra vários profissionais de saúde, entre médicos e enfermeiros.

Rui Matono, diretor do Serviço de Urgência e um dos elementos da "task force", justifica a reorganização do hospital com a necessidade de "maximizar a segurança de utentes, doentes e profissionais".

"O hospital não poderia ser só para os doentes com a infeção SARS-CoV-2. Tem de continuar a prestar todos os cuidados de saúde necessários e para os quais está vocacionado", lembra o clínico.

O HESE começou a fazer "muito precocemente" o rastreio aos doentes que necessitam de internamento para "garantir que, mesmo não sendo suspeitos, não levam a infeção para dentro de enfermarias", assinala.

Além disso, recorda, foram limitadas e, posteriormente, proibidas visitas e presença de acompanhantes e adiadas consultas e exames, estando a unidade a realizar apenas "intervenções cirúrgicas de urgência de traumatologia e as oncológicas".

"Criámos equipas que se dedicaram a fazer a análise, caso a caso, de quais poderíamos adiar e qual o tempo de adiamento que poderia ser feito" e foi reconfigurado o atendimento para a realização de "mais teleconsultas", sublinha Rui Matono.

Segundo o diretor da urgência, o hospital de Évora registou, nas últimas semanas, menos atendimentos por traumas e acidentes, além de terem diminuído as consultas presenciais, cirurgias e exames.

O responsável congratula-se por, até agora, "nenhum profissional de saúde" do HESE se ter infetado, o que "é muito importante, quer em termos pessoais, quer para a organização da própria estrutura" do hospital.

Lusa

 



Leia esta notícia na integra na edição impressa do Jornal «A Planície»
Untitled Document Untitled Document Untitled Document
27 31
16 14
 
 
 
 
 
 
 
 
Untitled Document
 
    © 2015 - Sociedade Editorial Bética, Lda