Covid-19 - PCP ouviu as IPSS´s do distrito de Beja. Hoje é a vez das estruturas sindicais
Publicado | 2020-04-24 06:27:43
 
A Direcção da Organização Regional de Beja do PCP realizou no passado dia 21 de Abril uma Audição Pública, on-line, com IPSS´s do distrito de Beja. Esta audição contou com a participação de João Dias, membro da DORBE e de deputado do PCP na Assembleia da República.
 

Em nota de imprensa os comunistas salientam que “O PCP tem como objectivo procurar conhecer a realidade e dificuldades concretas com que são confrontadas as IPSS´s do distrito. Trata-se de um sector que dá uma resposta a importantes áreas, designadamente na infância e juventude, idosos, pessoas com deficiência e acompanhamento à comunidade emigrante, cada vez mais presente no distrito.”

“Entendemos que o estado não pode transferir responsabilidades para as IPSS’s à custa da disponibilidade voluntária dos seus dirigentes e sem ter em conta os direitos dos trabalhadores das IPSS e as necessidades de quem necessita do apoio destas instituições.” Adiantou a DORBE do PCP.

Foram várias as preocupações que foram colocadas das várias IPSS que participaram na “desde a manutenção e reforço dos acordos celebrados entre a Segurança Social e estas instituições, entre outras medidas excecionais que visem por um lado salvaguardar as instituições em dificuldade, por outro de modo a que estas possam cumprir as suas responsabilidades em particular para com os seus trabalhadores, mas igualmente, para com os seus utentes e famílias. Foi ainda muito referida a falta de apoio em equipamentos de proteção individual, tão necessários nestas instituições, de forma aumentar as medidas de contenção e proteção do surto, bem como a necessidade de realização de testes aos trabalhadores e utentes, sobretudo em Lares da 3ªIdade e estruturas residenciais.”

Em relação aos funcionários o PCP destaca “Os trabalhadores das IPSS que são a parte central para que estas cumpram com o seu papel, devem ter os seus direitos salvaguardados, entre eles o pagamento dos seus salários, o respeito pelo horário de trabalho, a manutenção dos seus postos de trabalho e o acesso a todos os meios de protecção prescritos pela Direcção Geral de Saúde, havendo já exemplos de instituições com creches que têm trabalhadores em regime de meio tempo e em lay-off.”

Os comunistas assumiram depois da reunião que “foi reforçado o compromisso de continuar a exigir ao Governo que intervenha com medidas concretas que visem a assegurem o reforço dos apoios ao funcionamento das instituições, salvaguardando os interesses e direitos dos seus trabalhadores, utentes e famílias.”

Esta foi a primeira de quatro audições públicas que a DORBE do PCP irá realizar, a próxima será realizada, hoje, dia 24 de Abril com estruturas sindicais.

 



Leia esta notícia na integra na edição impressa do Jornal «A Planície»
Untitled Document Untitled Document Untitled Document
36 37
21 18
 
 
 
 
 
 
 
 
Untitled Document
 
    © 2015 - Sociedade Editorial Bética, Lda