Covid-19 - Presidente dos mediadores dos ciganos deixa alerta às autoridades relativamente ao Bairro das Pedreiras em Beja
Publicado | 2020-04-10 18:43:43
 
O presidente da Associação de Mediadores Ciganos de Portugal (AMEC) Prudêncio Canhoto, em declarações ao Público, alertou para as consequências que podem resultar se um foco de Covid-19 ocorrer no Bairro das Pedreiras, em Beja.
 

Neste bairro vive a maior comunidade cigana em Portugal, cerca de 800 pessoas. Prudêncio Canhoto questiona se “as autoridades só vão actuar no bairro após o surgimento de um primeiro infectado?” E acrescenta que a circulação de pessoas está longe de estar controlada e o aparecimento de um foco de covid-19 em Moura deverá colocar em alerta as autoridades de saúde pública e os autarcas.

Também no Bairro das Pedreiras o receio de contágio está a deixar os moradores assustados. “O vírus não anda. As pessoas é que o levam” refere o mediador cigano.

 



Leia esta notícia na integra na edição impressa do Jornal «A Planície»
Untitled Document Untitled Document Untitled Document
27 31
16 14
 
 
 
 
 
 
 
 
Untitled Document
 
    © 2015 - Sociedade Editorial Bética, Lda