Duas cidades portuguesas terão cobertura 5G já este ano, uma situa-se no interior
Publicado | 2020-02-10 04:29:45
 
O Governo aprovou, uma resolução que define a estratégia e calendarização para a quinta geração de comunicações móveis (5G).
 
Na Conferência de Imprensa após o final do Conselho de Ministros, o Ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, referiu que “esta é uma evolução tecnológica com um impacto tremendamente grande” na forma como “nos relacionamos” e “trabalhamos”.
“Estamos a falar de uma transmissão mais rápida, de um volume de dados de 100 vezes mais rápido” e “de um milhão de dispositivos por quilómetro quadrado”, explicou.
Sobre o procedimento de atribuição do espectro - que será definido pela Autoridade Nacional de Comunicações (ANACOM), Pedro Nuno Santos referiu que a estratégia do Governo será a de incentivo às empresas candidatas, para que Portugal não tenha “um 5G coxo”.
“Para nós o que é fundamental é que as nossas empresas consigam as licenças, tenham a capacidade e invistam na qualidade do serviço e na cobertura em particular”, disse o Ministro, acrescentando que o objectivo principal “não é a maximização das receitas” mas sim que as mesmas “sirvam o propósito de financiar a transição digital”, que é um dos pilares deste Governo.
Relativamente à calendarização de implementação da rede 5G, Pedro Nuno Santos disse que União Europeia definiu que Portugal deve ter “pelo menos uma cidade com cobertura 5G até final de 2020”. O Governo pretende, contudo, que em igual período, existam duas cidades portuguesas com este tipo de cobertura móvel, uma delas no interior.
A cobertura, até 2023, de todos os estabelecimentos de saúde e aeroportos e a utilização da 5G por 90% da população, até 2025, foram outras das metas apresentadas pelo Ministro.

 



Leia esta notícia na integra na edição impressa do Jornal «A Planície»
Untitled Document Untitled Document Untitled Document
22 22
8 8
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Untitled Document
 
    © 2015 - Sociedade Editorial Bética, Lda