Duas cidades portuguesas terão cobertura 5G já este ano, uma situa-se no interior
Publicado | 2020-02-10 04:29:45
 
O Governo aprovou, uma resolução que define a estratégia e calendarização para a quinta geração de comunicações móveis (5G).
 
Na Conferência de Imprensa após o final do Conselho de Ministros, o Ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, referiu que “esta é uma evolução tecnológica com um impacto tremendamente grande” na forma como “nos relacionamos” e “trabalhamos”.
“Estamos a falar de uma transmissão mais rápida, de um volume de dados de 100 vezes mais rápido” e “de um milhão de dispositivos por quilómetro quadrado”, explicou.
Sobre o procedimento de atribuição do espectro - que será definido pela Autoridade Nacional de Comunicações (ANACOM), Pedro Nuno Santos referiu que a estratégia do Governo será a de incentivo às empresas candidatas, para que Portugal não tenha “um 5G coxo”.
“Para nós o que é fundamental é que as nossas empresas consigam as licenças, tenham a capacidade e invistam na qualidade do serviço e na cobertura em particular”, disse o Ministro, acrescentando que o objectivo principal “não é a maximização das receitas” mas sim que as mesmas “sirvam o propósito de financiar a transição digital”, que é um dos pilares deste Governo.
Relativamente à calendarização de implementação da rede 5G, Pedro Nuno Santos disse que União Europeia definiu que Portugal deve ter “pelo menos uma cidade com cobertura 5G até final de 2020”. O Governo pretende, contudo, que em igual período, existam duas cidades portuguesas com este tipo de cobertura móvel, uma delas no interior.
A cobertura, até 2023, de todos os estabelecimentos de saúde e aeroportos e a utilização da 5G por 90% da população, até 2025, foram outras das metas apresentadas pelo Ministro.

 



Leia esta notícia na integra na edição impressa do Jornal «A Planície»
Untitled Document Untitled Document Untitled Document
38 41
17 19
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Untitled Document
 
    © 2015 - Sociedade Editorial Bética, Lda