Acusação do PCP “foi um mal entendido” esclarece o executivo da CM de Moura
Publicado | 2020-01-31 11:39:36
 
O Executivo da Câmara Municipal de Moura, perante a acusação do PCP de querer impedir o direito à greve dos trabalhadores, emitiu um comunicado em que esclarece a situação.
 

O vereador José Banha sublinha e esclarece que é um mal entendido, “o esclarecimento que o executivo colocou na rua, tem como intenção esclarecer um mal entendido. Tem a ver com a situação de que o executivo não se revê em qualquer limitação do direito à greve. Pelo que o direito à greve é inquestionável.”

José Banha adianta que “nunca foi intenção, nem está escrito em nenhum documento que exista essa limitação. A única coisa que está escrita na informação que a Câmara Municipal enviou aos seus trabalhadores, tem por base um pedido de um ofício do STAL, que solicitava a dispensa ao serviço dos trabalhadores para participarem na manifestação. Essa é a única situação que o executivo não cede, porque não faz sentido dispensar as pessoas da sua assiduidade enquanto trabalhadores para se deslocarem a uma manifestação.”

O vereador adianta ainda que “completamente diferente é a questão do direito à greve, é um direito de todos nós.”

Executivo da Câmara Municipal de Moura esclarece a situação levantada pelo PCP em relação a uma informação interna que foi comunicada aos trabalhadores daquela instituição, sobre a sua participação na manifestação de amanhã em Lisboa.

 



Leia esta notícia na integra na edição impressa do Jornal «A Planície»
Untitled Document Untitled Document Untitled Document
22 22
8 8
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Untitled Document
 
    © 2015 - Sociedade Editorial Bética, Lda