Autarquia de Serpa preocupada com culturas intensivas no concelho
Publicado | 2020-01-29 04:02:27
 
A Câmara Municipal de Serpa, tem mostrado grande preocupação com monoculturas intensivas e superintensivas, no concelho. O vice presidente da autarquia serpense, Carlos Alves disse à Planície que “ a Câmara de Serpa tem questionado as culturas intensivas e superintensivas que é uma preocupação.”
 
Carlos Alves refere que “já foram criadas algumas regras, nomeadamente a criação de uma faixa de protecção de 500 metros junto dos aglomerados urbanos onde não podem ser plantas culturas intensivas e superintensivas. Contudo, estas normas não estão a ser cumpridas e podemos confirmar isso mesmo junto a freguesias  onde existe olival praticamente dentro da localidade, situação já denunciada”.
O autarca referiu ainda que “temos tido vários contactos quer com a Agência Portuguesa do Ambiente (APA), quer com a Águas Públicas do Alentejo (AgdA) e sabemos que da parte da AgdA tem sido feito um esforço para que sejam dadas respostas à Câmara Municipal de Serpa. Por seu lado a APA solicitou mais informações ao Município, que, entretanto, respondeu. Neste momento aguardamos resposta por parte desta entidade.
A questão da agricultura intensiva e superintensiva tem sido uma preocupação do Município de Serpa, tendo já tomado uma posição pública em 2018, dando conta disso mesmo.”
O Município de Serpa salienta ainda que há falta de informação concreta e actual sobre os efectivos impactos ambientais e de saúde pública, bem como sobre novas plantações a médio prazo. 

 



Leia esta notícia na integra na edição impressa do Jornal «A Planície»
Untitled Document Untitled Document Untitled Document
22 22
8 8
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Untitled Document
 
    © 2015 - Sociedade Editorial Bética, Lda