Governo suspende licenças para captação de água no Alentejo e Algarve
Publicado | 2019-11-22 04:23:12
 
Suspender novos furos de água no sul do país e intensificar a promoção da reutilização dos consumos urbanos e na agricultura, são algumas medidas que o Governo anunciou esta semana para fazer face à situação de seca que Portugal atravessa, em que as regiões mais problemáticas são o Alentejo e o Algarve.
 
É preciso «mudar o perfil do consumo em Portugal, em diálogo com todos», porque chove cada vez menos e já não se pode contar com anos melhores para compensar os piores, disse o Ministro do Ambiente e da Ação Climática, Matos Fernandes.
O Ministro do Ambiente e da Ação Climática e a Ministra da Agricultura, Maria do Céu Albuquerque, falavam numa conferência de imprensa no final de uma reunião da Comissão Interministerial da Seca, em Lisboa.
A Ministra afirmou que «a seca severa não é conjuntural», pelo que se exigem medidas concretas para conter o consumo de água, adaptando as culturas à disponibilidade da água e garantir a eficiência no uso deste recurso.
As duas áreas de Governo vão começar, a partir de 30 de Novembro, a reunir-se com representantes dos sectores que mais água consomem: autarquias, agricultura e sector turístico do Algarve, com os campos de golfe.
Maria do Céu Albuquerque disse que «não se augura nada de melhor» para os próximos anos na disponibilidade de água, o que é especialmente relevante para a agricultura, que consome 74% da água utilizada em Portugal.
A seca é particularmente grave no sul do Continente, tendo Matos Fernandes referido que já estão suspensas novas licenças para captação de água a sul do Tejo e que se expandirá a utilização de águas residuais tratadas na rega e na lavagem de ruas.
O Ministro referiu que a situação «é hoje melhor do que no período homólogo de 2017, mas o problema é estrutural». Por isso, «não nos enganemos com a chuva que caiu nas últimas horas e que vai continuar a cair».
Recordamos que segundo dados do Sistema Nacional de Informação de Recursos Hídricos (SNIRH) no último dia do mês de Outubro de 2019 e comparativamente ao último dia do mês anterior verificou-se um aumento do volume armazenado em 1 bacia hidrográfica e uma descida em 11. 
Das 59 albufeiras monitorizadas, 3 apresentam disponibilidades hídricas superiores a 80% do volume total e 30 têm disponibilidades inferiores a 40% do volume total, sendo que estas últimas se situam no sul do País.
 



Leia esta notícia na integra na edição impressa do Jornal «A Planície»
Untitled Document Untitled Document Untitled Document
16 16
11 11
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Untitled Document
 
    © 2015 - Sociedade Editorial Bética, Lda