Balanço da operação “Proteção Máxima, Risco Mínimo
Publicado | 2019-09-17 04:55:47
 
No período de 9 a 15 de Setembro, a Guarda Nacional Republicana (GNR) realizou, em todo o território nacional, uma operação de fiscalização intensiva do uso dos dispositivos de segurança, nomeadamente, do cinto de segurança, dos sistemas de retenção para crianças (SRC) e do capacete, com o objetivo de promover comportamentos mais seguros por parte dos condutores e ocupantes dos veículos, e diminuir a gravidade das consequências dos acidentes de viação.
 
Durante o período da operação, foram fiscalizados cerca de 31 mil condutores e detetadas mais de 10 mil contraordenações rodoviárias, sendo que no âmbito dos objetivos desta operação, registaram-se 689 infrações por falta ou incorreta utilização do cinto de segurança, ou dos sistemas de retenção para crianças, e 21 por falta ou incorreta utilização do capacete. 
No ano 2018, a GNR detectou cerca de 19 mil condutores que não faziam o uso do cinto de segurança, ou estavam a utilizá-lo incorretamente, 1 446 por não utilização do sistema de retenção para crianças, e 936 não utilizavam o capacete, ou utilizavam-no incorretamente, durante a condução de motociclos e ciclomotores. Este ano, até ao dia 31 de Agosto, a GNR já tinha detetado quase 16 mil condutores que não faziam o uso do cinto de segurança ou não utilizavam o sistema de retenção para crianças, bem como 638 condutores de motociclos ou de ciclomotores que não utilizavam o capacete.
Perante estes números, a GNR continuará a intensificar as acções de fiscalização e sensibilização no âmbito das medidas de segurança, no sentido de contribuir para a redução dos índices de sinistralidade, bem como para minimizar as consequências dos acidentes rodoviários.

 



Leia esta notícia na integra na edição impressa do Jornal «A Planície»
Untitled Document Untitled Document Untitled Document
12 13
5 3
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Untitled Document
 
    © 2015 - Sociedade Editorial Bética, Lda