Gare alerta para a mortalidade nas estradas portuguesas
Publicado | 2019-09-12 04:37:13
 
A Associação para a Promoção de uma Cultura de Segurança Rodoviária (GARE) emitiu um comunicado em que sublinha o aumento da sinistralidade rodoviária em Portugal.
 
Segundo o documento “o recente relatório de sinistralidade rodoviária da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária, referente às vítimas a 30 dias no ano de 2018, confirma de forma inequívoca, aquilo que a GARE vem afirmando repetidamente sobre o aumento da sinistralidade rodoviária em Portugal.
Portugal deixou de investir em segurança rodoviária, e os números estão aí para provar a toda a gente que não podemos continuar assim.”
A GARE salienta que os números em 2017 subiram registando-se  602 vítimas mortais e em 2018 o registo subiu para 675 vítimas mortais, apenas inferior ao registo de 2012 e afirma que as previsões para 2019 não serão melhores.
Assim e perante estes dados a Associação pergunta “por que razão não se investe em educação rodoviária? E a pergunta tem que ser feita a muita gente. Em primeiro lugar claro ao Governo pois muitos ministros têm responsabilidade directa na resolução deste problema. Mas a Assembleia da República e o Presidente da República também têm responsabilidades. E o Poder Local. E a comunicação social. E a população em geral.
É preciso não esquecer que os atropelamentos dentro das localidades também continuam a aumentar. É porque as questões da mobilidade nas nossas aldeias, vilas e cidades, continuam sem resolver e não se vê qualquer amplo movimento no sentido de tomar medidas.”

 



Leia esta notícia na integra na edição impressa do Jornal «A Planície»
Untitled Document Untitled Document Untitled Document
30 29
18 17
 
 
 
 
 
 
 
 
Untitled Document
 
    © 2015 - Sociedade Editorial Bética, Lda