Plataforma Alentejo – “Infraestruturas de Portugal não está a fazer um bom trabalho no Alentejo”
Publicado | 2019-07-12 04:44:50
 
A Plataforma Alentejo reuniu no passado dia 9 deste mês com o Conselho de Administração da Infraestruturas de Portugal (IP)em que sobre a reunião emitiu um comunicado em que afirma que “a IP só se ouve a ela própria ou a voz do Governo.
 
Para a IP, as intervenções nas infraestruturas ferroviárias só são feitas quando ditadas pelo Mercado, quando há Procura. Para a Plataforma Alentejo, as intervenções ferroviárias e rodoviárias são feitas no contexto de desenvolvimento sustentável da Região, do combate à desertificação e à desigualdade demográfica e na defesa intransigente da coesão social e territorial de interesse nacional.”
Claudino Matos da Plataforma Alentejo sublinhou que “chegámos à conclusão que as Infraestruturas de Portugal já têm uma série de estudos realizados para a questão das acessibilidades a nível nacional e obviamente incluindo o Alentejo. No que diz respeito aqui ao Alentejo, as reivindicações que estão plasmadas na Plataforma relativamente tanto à ferrovia como à rodovia, não estão consideradas, ao contrário daquilo que nós gostaríamos de ver considerado.”
Sobre as conclusões da reunião, Claudino Matos acrescenta que “do ponto de vista de conclusões, nós pensamos que as reivindicações da plataforma não estão a ser devidamente acomodadas, considerando o Alentejo como um todo, como uma região em termos de coesão territorial, de sustentabilidade. Não consideramos que a IP estejam a fazer um bom trabalho no que diz respeito aos investimentos a curto e médio prazo e até a longo prazo relativamente ao Alentejo.”
Sobre o que a Plataforma vai fazer no futuro Claudino Matos disse “perante isto, vamos continuar a fazer actividades e a reunir com responsáveis governamentais à semelhança do que temos vindo a fazer, com a Assembleia da República, com várias entidades que tenham alguma capacidade de alterar alguns estudos que do nosso ponto de vista são enviesados relativamente à questão da importância do Alentejo como um todo.”
Para a Plataforma Alentejo, toda a rede ferroviária do Alentejo merece outro tratamento estratégico e operacional, a começar pela integral electrificação da Linha do Alentejo, da Linha do Leste com o ramal de Cáceres e reabertura faseada dos ramais tendo presente os interesses das populações e as necessidades do tecido empresarial. 
 



Leia esta notícia na integra na edição impressa do Jornal «A Planície»
Untitled Document Untitled Document Untitled Document
36 35
17 17
 
 
 
 
 
 
 
 
Untitled Document
 
    © 2015 - Sociedade Editorial Bética, Lda