“Solos do Alentejo estão cada vez mais pobres”
Publicado | 2019-06-24 04:55:55
 
Uma investigação levada a cabo pelo jornal “O Publico” onde entrevista vários responsáveis de entidades relacionadas com a agricultura chega à conclusão que “os solos agrícolas no Alentejo estão cada vez mais pobres.
 
Se não receberem rapidamente fertilizantes orgânicos os fenómenos erosivos vão acelerar com as práticas do regadio. As motorizações realizadas ao solo indicam que os teores de matéria orgânica, na zona de regadio de Alqueva estão abaixo do que seria normal, ou seja encontram-se entre 0,7 e 1%quando se deviam situar entre os 3 e 4%.”
Ainda segundo jornal “Uma das razões que levou a esta situação deve-se ao abuso de adubos minerais e ao desaparecimento da agricultura conservativa. Durante décadas  as campanhas do trigo e depois as culturas intensivas vieram retirar o húmus dos solos e acelerar a erosão.”
Por ultimo este órgão de comunicação social salienta que “ Um dos conselhos que se está a passar aos agricultores para minimizar este problema é que em vez de queimarem os restolhos das searas e as folhas das oliveiras, que estes resíduos sejam utilizados na produção de matéria orgânica. 

 



Leia esta notícia na integra na edição impressa do Jornal «A Planície»
Untitled Document Untitled Document Untitled Document
15 17
6 12
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Untitled Document
 
    © 2015 - Sociedade Editorial Bética, Lda