Maioria dos portugueses é a favor da proibição dos sacos de plástico ultraleves
Publicado | 2019-06-11 04:15:21
 
A larga maioria dos portugueses considera que os sacos de plástico ultraleves, usados principalmente em superfícies comerciais para a colocação de frutas e vegetais, devem ser proibidos (91%).
 
Até mesmo quem não tem o hábito de reciclar concorda com esta proibição (85%), não havendo uma grande discrepância de opiniões quando se segmenta o grupo por género, geração ou classe social.
Estas são algumas das conclusões do segundo semestre do 1º Observatório Permanente de Tendências de Reciclagem, uma iniciativa promovida pela Novo Verde, entidade gestora de resíduos, responsável pela recolha, valorização e reciclagem de embalagens. O trabalho de campo deste estudo foi desenvolvido pela Marktest e medirá, trimestralmente, os hábitos e atitudes dos portugueses no que diz respeito à separação de resíduos.  
Com a problemática do plástico em destaque, os inquiridos continuam a mostrar uma elevada intenção de devolver embalagens de bebidas não reutilizáveis, apesar de neste trimestre o valor ter sido mais baixo do que no anterior (89 pontos, em comparação com os 90 de Janeiro). Os indivíduos com maior consciência ecológica são quem revela maior intenção de concretizar esta devolução, seguindo-se a Geração Y (22-36 anos), que neste trimestre ultrapassa a Geração X (37-57 anos) neste aspecto.

 



Leia esta notícia na integra na edição impressa do Jornal «A Planície»
Untitled Document Untitled Document Untitled Document
15 17
6 7
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Untitled Document
 
    © 2015 - Sociedade Editorial Bética, Lda