Faltam enfermeiros na Unidade local de Saúde do Baixo Alentejo
Publicado | 2019-05-24 04:56:36
 
Os enfermeiros da Unidade de Cuidados Intensivos Polivalente (UCIP) da Unidade Local de Saúde do Baixo Alentejo (ULSBA) enviaram ao Conselho de Administração, de acordo com o que estão obrigados legalmente, uma exposição onde identificam graves problemas na prestação de cuidados aos doentes internados nesta Unidade.
 
O Coordenador da Direcção Regional do Alentejo do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, Edgar Santos, explicou que “aquilo que se passa na ULSBA, passa-se um pouco pelas unidades de todo o País. É fruto das políticas deste Governo de admissão de enfermeiros e outros técnicos. Quando não se faz admissão o que sucede é que ou se sente a carência ou não se sente, pelo facto de os trabalhadores não gozarem os direitos. Neste caso sente-se a carência, porque os colegas estão exaustos e não querem continuar a fazer o trabalho extraordinário e fazem bem.”
O sindicalista acrescentou que “até este momento não obtivemos resposta ao pedido de reunião que pedimos ao Conselho de Administração. Continuamos a aguardar. A culpa não é da Administração é do Governo que não autoriza admissões de enfermeiros e quando o faz é em número muito pequeno.”
Caso não obtenham resposta nem seja agendada a reunião solicitada ao Conselho de Administração da Unidade Local de Saúde do Baixo Alentejo, o Sindicato irá então pedir uma audiência à ARS.
Os enfermeiros expressam a sua profunda preocupação face ao volume de horas extraordinárias programadas (que são ilegais), ao consequente cansaço acumulado e apelam ao Conselho de Administração para que encontre soluções para os problemas, pois está em risco a qualidade e a segurança dos cuidados prestados aos doentes.

 



Leia esta notícia na integra na edição impressa do Jornal «A Planície»
Untitled Document Untitled Document Untitled Document
15 17
6 7
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Untitled Document
 
    © 2015 - Sociedade Editorial Bética, Lda