CDS “Parece que há um preconceito do ministério do Ambiente contra a agricultura”
Publicado | 2019-05-16 04:52:40
 
Para o CDS a declaração de impacto ambiental do Bloco de Rega de Moura põe em causa os pequenos agricultores e devia ser revisto com rigor e flexibilidade.
 
A deputada do CDS, Patricia Fonseca, salientou que “o que o partido entende das condicionantes, sem querer colocar em causa as questões técnicas que estejam por trás e a necessidade de compatibilizar os valores ambientais com o que são os valores económicos e a actividade económica, parece-nos que há claramente aqui um preconceito contra a agricultura. Não se percebe de facto que numa zona tradicionalmente de olival haja uma limitação a 278 arvores por hectare, é claramente contra o olival.” 
A parlamentar adiantou ainda que “há aqui um padrão em que o Ministério do Ambiente tem vindo a colocar-se, contra a possibilidade de uma agricultura com rentabilidade económica. Isto cai até num paradigma esquisito, porque põe em causa os pequenos agricultores. Numa zona em que se esteve a trabalhar num projecto de emparcelamento, para que as pessoas pudessem aumentar as suas parcelas, porque também há pequena propriedade no Alentejo, estar no futuro a impedir um pequeno proprietário de plantar uma determinada cultura permanente. Agora já não é só o olival, há também o amendoal e até arvores de fruto, o agricultor não pode tirar rendimento, apenas, por causa de um preconceito relativamente a uma actividade.”
Patrícia Fonseca acrescenta que “isto de facto é mau e vai condicionar o desenvolvimento económico de uma região que tem dado provas que tem capacidade de crescer e é uma zona do interior, que necessariamente precisa de fixar pessoas. As pessoas não se fixam por decreto regulamentar é porque tem boas condições de vida e, isso passa por terem emprego e ter rentabilidade. Isto para nós não faz sentido. No fundo quase desafiaria que fosse revisto com todo o rigor e flexibilidade a decisão de impacto ambiental de forma a aliviar alguns destes constrangimentos que são levantados.”
 



Leia esta notícia na integra na edição impressa do Jornal «A Planície»
Untitled Document Untitled Document Untitled Document
30 29
18 17
 
 
 
 
 
 
 
 
Untitled Document
 
    © 2015 - Sociedade Editorial Bética, Lda