Secretário de Estado das Autarquias Locais falou da importância da Feira de Moura
Publicado | 2019-05-13 04:29:25
 
A edição de 2019 da feira de Maio em MOURA, foi inaugurada pelo Secretário de Estado das Autarquias Locais, Carlos Miguel.
 
O governante em entrevista exclusiva à Planície sublinhou a importância das feiras. “As feiras são muito importantes para os territórios, para as autarquias, nomeadamente para as Câmaras Municipais. Nós habituámo-nos a olhar para as câmaras para resolverem os problemas da água, da luz, das estradas, para tratar da zonas verdes… As câmaras são isso tudo, mas são muito mais e, Moura não é excepção, preocupam-se muito com a atracção para os seus territórios. Só captam mais pessoas por serem bonitos, com certeza que sim, porque Moura e todo o Alentejo tem uma beleza muito significativa. Mas só captam pessoas se tiverem economia, se tiverem empresas, se houver emprego, porque ninguém vive sem ter um rendimento. Por isso, estas feiras são importantes para isso. Numa feira não só se mostra aquilo que se faz, como se promove aquilo que se faz e isso é bom para a economia local.”
Carlos Miguel sublinhou ainda a importância do azeite e do Olival. “O azeite é um produto muito importante, já acompanha o vinho em termos de imagem de Portugal. Sei que neste momento no Alentejo já se discute os malefícios deste desenvolvimento, nomeadamente em termos ecológicos. Temos que encontrar o equilíbrio. Portugal padece de um problema secular, que é do 8 ao 80; ou é tudo ou não é nada e temos que ir à procura do 45 e do 50. O mal não é (na minha óptica que é de um leigo), do olival intensivo é de ser só olival intensivo. As monoculturas trazem sempre problemas, por isso há que diversificar e, ninguém melhor que os agentes locais para encontrar o equilíbrio.”
O Secretário de Estado salienta ainda que “não tem que ser só eucaliptos, mas não quer dizer que não haja eucaliptos. Se calhar aqui o olival também tem que ser de forma equilibrada. Agora que ele é uma riqueza enorme é. É um produto de excepção e que precisa de ser ainda mais valorizado no mercado internacional. Se nós não encontrarmos o equilíbrio é a própria natureza que o vai encontrar.”
Sobre as autarquias, Carlos Miguel sublinhou que “são muito importantes. Acompanham o dia a dia dos cidadãos. São fundamentais e o Governo pretende dar mais competências e mais autonomia. Qualquer cidadão de Moura encontra todos os dias o presidente da Junta ou o presidente da Câmara, o Secretário de Estado encontra um dia, quando houver feira.”
 



Leia esta notícia na integra na edição impressa do Jornal «A Planície»
Untitled Document Untitled Document Untitled Document
37 35
20 18
 
 
 
 
 
 
 
 
Untitled Document
 
    © 2015 - Sociedade Editorial Bética, Lda