Autarcas de Moura, Barrancos, Vidigueira e Mourão querem melhores acessibilidades
Publicado | 2019-03-19 04:54:21
 
A marcha lenta organizada pelos municípios de Barrancos, Moura, Mourão e Vidigueira como forma de protesto contra o estado de degradação das estradas que servem os concelhos partiu ontem de Vidigueira a caminho de Moura e terminou em Barrancos, juntando mais de 100 veículos.
 
O presidente da Câmara Municipal de Barrancos, João Serranito adiantou à Planicie que “o isolamento do concelho tem muito a ver com as péssimas acessibilidades que temos. Não só o traçado em si, como também o estado do  pavimento. Isso condiciona a fixação de empresas, condiciona a saída de um doente que tem o Hospital distrital a 110 kms, condiciona a saída diária dos estudantes que vão para Moura e têm que percorrer 50 kms nesta estrada, sem alternativa. É um factor limitante ao nosso desenvolvimento.”
Sobre as perspectivas de se solucionar o problema o autarca acrescentou que “ nós temos tido reuniões, temos dialogado, escrito cartas e nada dá resultado. Logo temos que tomar um conjunto de acções que nos dê visibilidade e que o País entenda que um pedaço de Portugal, tão Portugal como outro qualquer se mantenha neste estado de isolamento.”
Para o edil de Vidigueira, Rui Raposo “o estado de degradação, com as estradas cheias de buracos, as bermas quando existem estão em mau estado o que coloca em perigo quem nelas circula é a razão de estarmos juntos nesta acção, para que o Governo tenha um olhar para esta zona do Alentejo. Nós acreditamos que vamos ter algum resultado e que as estradas sejam intervencionadas.”
A presidente da Câmara de Mourão, Maria Clara Safara, disse à Planície que “nós estamos no Alentejo profundo e se não tivermos boas acessibilidades não há investimento, até a própria segurança das pessoas está em causa.” Sobre a ligação de Amareleja a Valencia del Mombuey em Espanha, troço que pertence ao concelho de Mourão a edil adiantou que a autarquia não tem verba para a obra. “Nós precisamos de reivindicar para que no quadro comunitário existam verbas que os municípios se possam recorrer. Os municípios só por si não têm condições financeiras de fazerem esses investimentos. Cerca de 1km de estrada são cerca de 60 mil euros. Se tivermos forma de poder concorrer a candidaturas comparticipadas é muito mais fácil fazer esses arranjos que são necessários.”
O autarca mourense, Álvaro Azedo, sublinhou à Planície que “basta percorrer estas estradas para se ver que são tantos os buracos e os riscos que a zona que está a ser intervencionada é enorme. Vamos continuar a trabalhar para que tenhamos da parte dos responsáveis um compromisso para estes municípios. Agora aguardamos que o Sr. Ministro nos receba.”
Com o mote "Juntos por melhores acessibilidades", os municípios de Moura, Barrancos, Mourão e Vidigueira uniram-se para realizar uma Marcha Lenta, em defesa de melhores acessibilidades para a região e prometendo dar continuidade a esta reivindicação.  
 



Leia esta notícia na integra na edição impressa do Jornal «A Planície»
Untitled Document Untitled Document Untitled Document
25 28
14 12
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Untitled Document
 
    © 2015 - Sociedade Editorial Bética, Lda