Fundos para o Distrito de Beja ultrapassam os 100 milhões de euros
Publicado | 2019-02-26 04:50:27
 
Distrito de Beja ultrapassa os 100 milhões de euros e lidera no montante de fundos captados relativamente aos demais distritos da região, segundo o Gabinete de Estudos da Federação do Baixo Alentejo do PS.
 
Na análise que decorreu durante um debate sobre a aplicação de fundos comunitários na Região do Baixo Alentejo, organizado pelo Gabinete de Estudos da Federação do PS pode-se ler que “ o distrito de Beja lidera no montante de fundos captados relativamente aos demais distritos da região.” 
Rui Marreiros, do Gabinete de Estudos, explicou à Planície que “ ao nível dos PDCT foram captados 33,9 milhões de euros, tendência depois vincada em termos globais pelo Programa Operacional Regional do Alentejo para o período 2014-2020, responsável por até ao momento ter aprovado para o Distrito de Beja, mais de 100 milhões de euros, num volume superior aos Distritos de Évora e Portalegre. Um balanço bastante positivo sobre a aplicação de fundos comunitários na região e no distrito no seio de um debate intenso sobre o nosso futuro colectivo enquanto região.” 
Rui Marreiros adiantou ainda que “a análise iniciou-se com o Pacto para o Desenvolvimento e Coesão Territorial do Baixo Alentejo (PDCT), responsáveis pelos Investimentos Territoriais Integrados com recurso a diferentes fundos como FEDER, FSE, Fundo de Coesão ou FEADER. Ao nível da CIM do Baixo Alentejo, o desempenho destaque-se pela positiva relativamente às demais Comunidades Intermunicipais (Alto Alentejo, Alentejo Central, Alentejo Litoral e Lezíria do Tejo) em termos de projectos aprovados e indicadores financeiros. Incontornável foi igualmente a análise ao Programa Operacional Regional do Alentejo para o período 2014-2020, responsável por até ao momento ter aprovado para o Distrito de Beja, mais de 100 milhões de euros, num volume superior aos Distritos de Évora e Portalegre.
Esta tendência foi francamente marcante por exemplo no Sistema de Incentivos ao Empreendedorismo e ao Emprego (SI2E) com uma dotação aprovada para o Distrito de Beja superior a 8 milhões de euros, as verbas para o desenvolvimento urbano superiores a 37 milhões de euros, ou as áreas de acolhimento empresarial com 12,8 milhões de euros. Esta capacidade de captação de fundos para o Distrito de Beja, revelou-se ainda essencial em áreas como as infraestruturas educativas, os equipamentos sociais ou os investimentos na área da saúde que juntos somam quase 17 milhões de euros.” 
Rui Marreiros por último acrescentou que “o Portugal 2030 (PT 2030), confirmou-se como uma nova oportunidade para continuar a desenvolver o Baixo Alentejo, segundo uma estratégia global orientada para uma Europa mais inteligente, mais verde, mais conectada, mais social e mais próxima.”

 



Leia esta notícia na integra na edição impressa do Jornal «A Planície»
Untitled Document Untitled Document Untitled Document
20 22
9 9
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Untitled Document
 
    © 2015 - Sociedade Editorial Bética, Lda