Governo questionado sobre falta de obstetra no Hospital em Beja
Publicado | 2019-01-16 04:17:48
 
Os deputados do CDS-PP Patrícia Fonseca e João Rebelo questionaram a Ministra da Saúde sobre quais os motivos que levaram a que, no serviço de urgência do Hospital José Joaquim Fernandes, em Beja, não houvesse nenhum obstetra, levando a que pelo menos duas grávidas em fim de tempo tivessem que recorrer ao Hospital do Espírito Santo, em Évora, pelos seus próprios meios, o que implica fazer cerca de 100 km sem qualquer tipo de assistência médica ou de enfermagem.
 
A deputada Patrícia Fonseca, do CDS, disse à Planície que questionaram o governo sobre o facto de “durante pelo menos 12 horas, entre as 08h00 e as 20h00, do passado dia 6 de Janeiro, não ter estado escalado nenhum especialista em obstetrícia no serviço de urgência do Hospital José Joaquim Fernandes, em Beja, e quais os motivos que levaram a esta situação.” 

Segundo a parlamentar do CDS teve conhecimento que “a  falta de um obstetra no serviço de urgência do Hospital José Joaquim Fernandes, em Beja, levou a que pelo menos duas grávidas em fim de tempo tivessem que recorrer ao Hospital do Espírito Santo, em Évora, pelos seus próprios meios, o que implica fazer cerca de 100 km sem qualquer tipo de assistência médica ou de enfermagem. Foi uma situação que correu bem, mas podia não ter corrido.” 

Os deputados do CDS questionaram a ministra sobre que medidas estão a ser tomadas para resolver esta situação e para impedir que se repita e para quando a contratação de mais especialistas em obstetrícia para o Hospital. E adiantaram que querem saber se a Ministra está em condições de garantir que estão a ser assegurados o acesso à saúde e a qualidade da prestação de cuidados de saúde à população servida pelo Hospital José Joaquim Fernandes, em Beja.
 



Leia esta notícia na integra na edição impressa do Jornal «A Planície»
Untitled Document Untitled Document Untitled Document
19 22
7 7
 
 
 
 
 
 
 
 
Untitled Document
 
    © 2015 - Sociedade Editorial Bética, Lda