“Cante Fest” - Serra de Serpa exemplo de uma sociedade comunitária
Publicado | 2018-11-15 04:52:01
 
No âmbito da apresentação do “Cante Fest”, a Câmara Municipal de Serpa convidou no passado dia 10, a comunicação social para uma visita à Serra de Serpa, onde se vive da indústria, pecuária, agricultura, pesca e apicultura, de acordo com as regras de uma sociedade “comunitária”.
 
Num território que representa 40% da área do concelho, existem cerca de 200 montes, 80% dos quais habitados, que antes não possuíam electricidade. 

Joaquim Falé, presidente da Associação de Moradores da Neta e Pulo do Lobo, considera que “Foi um processo difícil, pois tivemos que nos unir e constituir esta Associação, com o apoio da Câmara Municipal de Serpa. A electrificação, que vai ficar terminada em finais de 2019, permitirá que 25 montes passem a ter electricidade. As pessoas viviam, como se vivia há 50 anos. É uma mais-valia para todos.” 

O mesmo acrescentou ainda. que “estão muitos estrangeiros a adquirir montes no Pulo do Lobo, que recuperam e depois dedicam-se ao turismo. Aqui tudo é puro, não há químicos, os animais andam à solta, comem erva e a pouca ração que lhes é dada, é produzida pelos agricultores. É uma comunidade que vive do que a terra dá, dos animais, do mel. Têm algum apoio do Estado, mas vivem sobretudo da venda dos seus produtos.” 

A vereadora da Câmara Municipal de Serpa, Odete Borralho, sublinhou a importância, que a Serra tem para o Concelho e a ajuda, que a autarquia prestou na questão da electrificação dos montes. “ Um grupo de pessoas veio pedir apoio individualmente, para uma segunda fase da rede eléctrica na Neta e Pulo do Lobo. Aconselhámos que se organizassem e ajudámos na constituição da Associação, para assim poderem reivindicar junto das entidades. A autarquia realizou a identificação dos montes, que necessitavam de electricidade, fez-se o mapeamento e junto da EDP realizaram o pedido de uma electrificação conjunta e um orçamento também colectivo. Como eram 30 pessoas a EDP considerou, que isso tinha algum peso e a proposta foi aceite, indo pagar 85% do investimento. Embora ainda não esteja protocolado, isso vai acontecer. Por parte da Câmara vamos dar o apoio, contribuindo com metade do resto da comparticipação e o restante será pago pelos moradores. “

A mesma, referindo-se à Serra de Serpa, salientou que “é um local muito rico, cheio de potencialidades. 

 Abrange 2 Uniões de Freguesia e uma freguesia, ou seja a União de Freguesias de Serpa, União de freguesias de Vila Nova de S. Bento e Vale Vargo e a Freguesia de Ficalho. É muito diversificada nos modos de produção e de vida, em que as pessoas partilham uma vivência comunitária, de relações de vizinhança e proximidade muito saudáveis. É um bom exemplo de como é possível viver em comunidade e de um querer colectivo. Aquilo que eles pensam, que eles comunicam, as suas vontades, é discutido colectivamente e isso é um exemplo, de uma prática de vida exemplar.” 

Também no âmbito da apresentação do “Cante Fest”, foi realizada uma visita à queijaria Guilherme, uma fábrica de sucesso, na Serra, mais propriamente no Monte Vale de Faia. Actualmente fabrica queijo de ovelha e de cabra. Fundada em 2001, deu seguimento a uma tradição familiar de fabrico artesanal de queijo. É uma fábrica dotada de instalações e tecnologia de ponta que dá emprego a 45 pessoas. Uma das grandes preocupações de Guilherme é a qualidade do produto e tentar fazer sempre melhor, mantendo o sabor tradicional. Um dos segredos para o queijo ser bom é a qualidade do leite e claro a boa saúde dos animais, quer das cabras quer das ovelhas. Todos os ovinos pastoreiam na serra de Serpa.

Tomé Pires, presidente da Câmara, no final da tarde, na apresentação do “Cante Fest”, na Casa do Cante, sublinhou que este ano “conta com a colaboração de várias casas comerciais do centro, que entenderam entrar nesta iniciativa. A nossa principal acção acaba por ser esta rota do cante das 14h às 20h, que nos dois dias vai juntar mais de 400 cantadores, aqui no centro, a cantar e a petiscar, de uma forma descontraída.”

Recordamos, que o “Cante Fest” se realiza, nos dias 23 a 27 de Novembro
O Cante, Património Cultural Imaterial da Humanidade, reconhecido pela UNESCO em 2014, será celebrado em Lisboa e Serpa, com um programa repleto de actividades.

No dia 23, a Casa do Alentejo, em Lisboa, será palco desta celebração, com muitas novidades.

Já em Serpa, o Centro Histórico da cidade recebe nos dias 24 e 25 de Novembro, entre as 14.00 e as 20.00 horas, a Rota do Cante, com actuações formais e informais, de mais de duas dezenas de grupos corais.

 Nos dois dias haverá espaço, para a degustação e venda de produtos regionais no Espaço Wasabi (Largo Condes de Ficalho). No dia 24, Sábado, pelas 21.30 horas, realizar-se-á um concerto, a cargo de um quinteto de cordas, com músicos do Conservatório Regional do Baixo Alentejo, alusivo ao Cancioneiro Musical de Manuel Dias Nunes, a ter lugar na Igreja de São Paulo.

No dia 26, a Câmara Municipal de Serpa está a preparar um dia de Cante no feminino.

Para o último dia do “Cante Fest”, dia 27, a data que assinala a elevação do Cante a Património imaterial da Humanidade, será um dia especial em Serpa, com a celebração e evocação desta efeméride.
 



Leia esta notícia na integra na edição impressa do Jornal «A Planície»
Untitled Document Untitled Document Untitled Document
14 16
6 6
 
 
 
 
 
 
 
 
Untitled Document
 
    © 2015 - Sociedade Editorial Bética, Lda