Bibliotecas móveis podem voltar no século XXI
Publicado | 2018-11-02 04:16:09
 
A Ministra da Cultura, Graça Fonseca, afirmou a intenção de o Governo «recriar para o século XXI a biblioteca móvel, para ir de aldeia em aldeia e de escola em escola».
 
Em Lisboa, na conferência anual do Plano Nacional de Leitura, a Ministra lançou o desafio para que as áreas de Governo da Cultura e da Educação trabalhem em conjunto com a Fundação Calouste Gulbenkian para avançar com o projecto de recriação do conceito.

Graça Fonseca sublinhou que os hábitos de leitura são «profundamente diferentes» quando comparados com há 20 ou 30 anos e referiu que Governo e autarquias devem promover uma adaptação para «oferecer instrumentos, ferramentas e equipamentos» que forneçam a resposta adequada aos novos modos de leitura.

Recordamos que em 1958, a Fundação Calouste Gulbenkian impulsionou o sistema de biblioteca itinerantes, numa altura em que não havia ainda a actual rede de bibliotecas públicas municipais, a taxa de analfabetismo era elevada e o acesso a estes equipamentos escasso.

Segundo a Direcção-Geral do Livro, Arquivos e Bibliotecas (DGLAB), existem actualmente mais de 60 bibliotecas móveis no país, agregadas a serviços municipais, que disponibilizam de forma gratuita o acesso a livros e publicações às populações que não podem deslocar-se a uma biblioteca.
 



Leia esta notícia na integra na edição impressa do Jornal «A Planície»
Untitled Document Untitled Document Untitled Document
20 20
11 11
 
 
 
 
 
 
 
 
Untitled Document
 
    © 2015 - Sociedade Editorial Bética, Lda