Protocolo para valorização dos subprodutos da vitivinicultura
Publicado | 2018-10-22 04:39:40
 
A Adega Cooperativa de Vidigueira, Cuba e Alvito assinou com a Câmara Municipal de Vidigueira, com o Instituto Politécnico de Beja e com a empresa Hidrozono, um protocolo que apostando na compostagem de vários dos seus subprodutos industriais, pretende no final obter produtos para aumentar a fertilização dos solos agrícolas.
 
«Trata-se de dar resposta a uma intenção da Adega que, como resultado da sua atividade, produz muitas toneladas de subprodutos que podem ser mais bem valorizados. Neste caso o objectivo final é a produção de matéria orgânica que depois enriquecerá os terrenos onde os nossos cooperadores têm as suas vinhas plantadas», refere José Miguel Almeida, presidente do Conselho de Administração da Adega, e incentivador deste projeto.

Começando de imediato e na vindima que decorre, os materiais resultantes da laboração da Adega, a que se juntam as águas de lavagens, detritos diversos etc. serão objecto de um estudo-piloto de compostagem elaborado pela empresa Hidrozono, com o apoio dos laboratórios do Instituto Politécnico de Beja, que fará as análises, e acompanhará a evolução deste estudo.

Para João Paulo Trindade, presidente do IPB, «este projecto vai ao encontro da nossa missão de investigar de uma forma orientada, onde a componente científica deve estar alinhada com o desejo de obter os resultados práticos esperados. É a ligação do meio académico com o mundo empresarial».

Manuel Colaço Camacho, sócio gerente da Hidrozono, assume o desafio lançado: «Foi-nos pedido que pensássemos no que fazer aos subprodutos da vitivinicultura, para podermos no final valorizar os terrenos agrícolas enriquecendo-os em matéria orgânica. A solução que pensámos e que testaremos quer evitar que muitas toneladas de produtos tenham outra utilidade em vez de irem para os aterros».

O projecto começará agora com a recolha dos produtos resultantes da laboração industrial da Adega durante a vindima, e após a poda serão acrescentadas varas das vinhas. Tudo entrará num processo de compostagem com análises da sua evolução, armazenamento e ensaios de germinação na primavera, para atestar a utilização dos compostos resultantes no enriquecimento dos terrenos agrícolas do Concelho. Este projecto piloto demorará nove meses a estar concluído.
 



Leia esta notícia na integra na edição impressa do Jornal «A Planície»
Untitled Document Untitled Document Untitled Document
20 20
11 11
 
 
 
 
 
 
 
 
Untitled Document
 
    © 2015 - Sociedade Editorial Bética, Lda