Bloco de Rega Moura/Póvoa/Amareleja e a Rede Natura
Publicado | 2018-09-07 04:33:00
 
Se para os agricultores, o bloco de rega Moura/Póvoa/Amareleja há muito que devia estar construído, pois o facto de ainda não estar construído trouxe um atraso de 4 ou 5 anos à agricultura de regadio da região, por outro lado a Rede Natura vai impedir que cerca 65% da área do Concelho de Moura possa beneficiar desse mesmo regadio.
 
A Planície falou com Dias Lopes, um dos agricultores de Moura que vai beneficiar do regadio e explicou-nos o porque, de só pecar, por vir tardiamente. 

“Expropriaram terras para fazer a Barragem de Alqueva e a de Pedrogão e é o último bloco a ser construído. Já andamos 4 ou 5 anos atrasados em relação aos nossos vizinhos da margem direita e também alguns da margem esquerda. O regadio trás novas culturas, quer de olival quer também de amendoeiras e permite aos agricultores defenderem-se melhor, inclusive, até das alterações climatéricas.”
Mas o bloco de rega não vai beneficiar 65% da área do concelho, isto porque todas essas terras estão dentro da Rede Natura, o que é incompreensível, pois são terras de barro, as melhores que a região tem. Outra das situações que a rede natura provoca é a desvalorização do preço das terras em relação às de regadio, ou seja duas terras vizinhas, uma que tenha regadio pode valer 10 vezes mais que a do seu vizinho do lado que está incluída na rede. Uma das soluções que alguns agricultores apontam seria por exemplo quem tivesse 200ha que deixasse 100 na rede e 100 para regadio permitindo assim fazer novas culturas.
 



Leia esta notícia na integra na edição impressa do Jornal «A Planície»
Untitled Document Untitled Document Untitled Document
15 17
7 10
 
 
 
 
 
 
 
 
Untitled Document
 
    © 2015 - Sociedade Editorial Bética, Lda