Bloco de Rega Moura/Póvoa/Amareleja e a Rede Natura
Publicado | 2018-09-07 04:33:00
 
Se para os agricultores, o bloco de rega Moura/Póvoa/Amareleja há muito que devia estar construído, pois o facto de ainda não estar construído trouxe um atraso de 4 ou 5 anos à agricultura de regadio da região, por outro lado a Rede Natura vai impedir que cerca 65% da área do Concelho de Moura possa beneficiar desse mesmo regadio.
 
A Planície falou com Dias Lopes, um dos agricultores de Moura que vai beneficiar do regadio e explicou-nos o porque, de só pecar, por vir tardiamente. 

“Expropriaram terras para fazer a Barragem de Alqueva e a de Pedrogão e é o último bloco a ser construído. Já andamos 4 ou 5 anos atrasados em relação aos nossos vizinhos da margem direita e também alguns da margem esquerda. O regadio trás novas culturas, quer de olival quer também de amendoeiras e permite aos agricultores defenderem-se melhor, inclusive, até das alterações climatéricas.”
Mas o bloco de rega não vai beneficiar 65% da área do concelho, isto porque todas essas terras estão dentro da Rede Natura, o que é incompreensível, pois são terras de barro, as melhores que a região tem. Outra das situações que a rede natura provoca é a desvalorização do preço das terras em relação às de regadio, ou seja duas terras vizinhas, uma que tenha regadio pode valer 10 vezes mais que a do seu vizinho do lado que está incluída na rede. Uma das soluções que alguns agricultores apontam seria por exemplo quem tivesse 200ha que deixasse 100 na rede e 100 para regadio permitindo assim fazer novas culturas.
 



Leia esta notícia na integra na edição impressa do Jornal «A Planície»
Untitled Document Untitled Document Untitled Document
35 33
20 20
 
 
 
 
 
 
 
 
Untitled Document
 
    © 2015 - Sociedade Editorial Bética, Lda