Plantaforma Alentejo faz petição para o desenvolvimento da Região Alentejo
Publicado | 2018-08-16 22:26:45
 
As organizações empresariais do Alentejo, várias entidades públicas e privadas a par de movimentos de cidadania e cidadãos criaram a plataforma Alentejo sob o lema Estratégia Integrada de Acessibilidade Sustentável do Alentejo nas Ligações Nacional e Internacional.
 
A plantaforma realizou uma petição ao presidente da república, ao presidente da Assembleia da República e ao Primeiro Ministro em que apresentam um conjunto de prioridades para o desenvolvimento de toda a região Alentejo bem como para a sua coesão social, territorial, ambiental e energética, com claros benefícios para a totalidade do território nacional. 

Em causa está a ligação ferroviária Sines/ Caia por BEJA beneficiando a exploração ferroviária de via dupla não convencional já existente entre Sines-Ermidas-Ourique/Funcheira (Ligação estratégica entre Alentejo e Algarve) - Beja-Casa Branca/Évora- Elvas/Caia – Portalegre- Abrantes (articulação em exploração e segurança integrada com a Linha de Leste) com terminais ferroviários de mercadorias em Vendas Novas, Évora e Área de Estremoz (mármores).Impacto positivo para reduzir tráfego rodoviário. 

Considerar o Aeroporto Internacional do Alentejo/Beja como parte do sistema aeroportuário nacional, complementar ao Aeroporto de Faro/Algarve e aos Aeroportos da vizinha Andaluzia e Estremadura espanholas. Recorde-se que o aeroporto de Beja representa uma vantagem para os voos intercontinentais com destinos a estas regiões que não dispõem de aeroportos para este efeito, como suporte à economia do Alentejo, em crescimento, sendo sempre uma resiliência e suplemento para o Aeroporto de Lisboa. 

Inscrever no PNI 2030 – Programa Nacional de Investimentos 2030 – a Eletrificação e modernização da Linha Ferroviária SINES-ERMIDAS-OURIQUE/FUNCHEIRA (ligação estratégica ao Algarve) - BEJA-CASA BRANCA/ÉVORA-CAIA-PORTALEGRE-ABRANTES.  Relativamente à Rede Rodoviária do Alentejo; Concluir as obras da A26 que liga a A2 ao Aeroporto Internacional do Alentejo/Beja; Abertura, de imediato, do troço rodoviário da A26 (há muito concluído) entre a A2 e o sítio da Malhada Velha equacionando-se a beneficiação da ligação Beja-Ficalho (saída para Sevilha) no mínimo em perfil de IP8. 

A petição foi assinada por várias individualidades e organizações empresariais entre os quais o Professor Catedrático Jubilado da Universidade de Lisboa António Galopim de Carvalho que salientou à Planície a necessidade de se desenvolver toda a região Alentejo, que é 1/3 do país, que tem uma parte cultural e gastronómica de grande riqueza, mas que necessita de acessibilidades que permitam as ligações á região e ao seu desenvolvimento. Galopim de Carvalho mostrou-se muito confiante de que a petição tenha uma resposta positiva esperando que dê resultados no investimento muito em breve.
 



Leia esta notícia na integra na edição impressa do Jornal «A Planície»
Untitled Document Untitled Document Untitled Document
35 33
20 20
 
 
 
 
 
 
 
 
Untitled Document
 
    © 2015 - Sociedade Editorial Bética, Lda