Base Aérea de Beja dá apoio logístico ao incêndio de Monchique
Publicado | 2018-08-07 04:18:14
 
A Base Aérea de Beja está a prestar apoio logístico da Força Aérea à operação dos meios aéreos de combate a incêndios da ANPC, estando também a realizar voos de reconhecimentos com aeronaves da FAP, como explicou à Planície o porta-voz do chefe do Estado Maior General das Forças Armadas, Comandante Coelho Dias.
 
Encontram-se mobilizados 160 militares para apoiar a ANPC no combate ao incêndio de Monchique, em particular a apoiar a evacuação das populações, a executar acções de patrulhamento no interior de Monchique, a realizar acções de consolidação e vigilância activa pós incêndio no interior da serra e a assegurar abertura de vias com recurso a máquinas pesadas de engenharia (máquinas de rasto).
  
Do total de militares já mobilizados para apoiar o combate ao incêndio em Monchique, mantém-se o empenhamento dos seis pelotões militares (cinco pelotões do Exército e um da Marinha) e o reforço com seis destacamentos de engenharia pesada, com cinco máquinas de rasto do Exército e uma da Força Aérea.

Coelho Dias salientou ainda que do total dos 160 militares empenhados em Monchique, 136 militares são do Exército, 19 da Marinha e 5 da Força Aérea.

Estão também empenhados 40 militares do Exército em acções de consolidação e vigilância activa pós incêndio em Portalegre, e mais quatro militares, também do Exército,  em acções de reforço de vigilância em Castelo Branco.

Actualmente encontram-se empenhados 508 militares, um pouco por todo o país, a reforçar o apoio à Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANPC).
 



Leia esta notícia na integra na edição impressa do Jornal «A Planície»
Untitled Document Untitled Document Untitled Document
15 14
10 8
 
 
 
 
 
 
 
 
Untitled Document
 
    © 2015 - Sociedade Editorial Bética, Lda