Serpa poderá ter estado nos primórdios do Exército português
Publicado | 2018-04-29 15:24:51
 
Uma milícia de besteiros, oriunda de Serpa, pode ter estado nos primórdios do Exército português, bem como na preservação daquilo que hoje são as fronteiras do nosso País.
 

A história remonta aos finais do século XIII, com a participação da milícia de besteiros do Conde de Serpa, no cerco de Portalegre, em 1299. Depois desta batalha, o Rei D. Dinis, como forma de reconhecer a estratégia e organização utilizada, ordenou que todas as milícias seguissem o modelo de Serpa e esta passou a ser a regra para que cada nova milícia fosse certificada e reconhecida.

Esta ideia foi avançada por João Gouveia Monteiro, docente da Universidade de Coimbra, orador convidado pelo Exército, a participar numa conferência realizada no passado dia 28 de Março, no Campus da Amadora da Academia Militar. Sob o tema “Reflexão crítica sobre as origens históricas do Exército Português”, o investigador trouxe a lume uma nova perspectiva sobre a origem do Exército Português e o envolvimento de homens de Serpa neste feito.

Tomé Pires, Presidente da Câmara Municipal de Serpa, destacou a importância que Serpa teve na manutenção das fronteiras portuguesas.

 



Leia esta notícia na integra na edição impressa do Jornal «A Planície»
Untitled Document Untitled Document Untitled Document
18 21
8 10
 
 
 
 
 
 
 
 
Untitled Document
 
    © 2015 - Sociedade Editorial Bética, Lda