PCP questiona Governo sobre falta de médicos na ULSBA
Publicado | 2018-02-12 04:30:07
 
O manifesto, assinado por doze directores de serviços do Hospital José Joaquim Fernandes, onde expressam a sua preocupação pela situação de absoluta carência de médicos para fazer face às necessidades assistenciais da população pela qual a ULSBA é responsável, está a preocupar o Grupo Parlamentar do PCP.
 
Os comunistas dizem-se atentos à crónica carência de médicos na referida unidade local, particularmente no que respeita à urgência de obstetrícia, para a qual muito frequentemente se tem colocado a possibilidade de encerramento da maternidade como foram os casos de 2006, 2011 e ainda em Setembro de 2017, face à extrema dificuldade de preenchimento de escalas, a administração da ULSBA emitiu um comunicado a informar da necessidade de encerrar a urgência obstétrica durante três dias por insuficiência de médicos especialistas.

Perante esta realidade os Deputados do PCP Carla Cruz e João Ramos pediram esclarecimentos ao Ministério da Saúde. Os deputados querem saber se o Governo tem conhecimento da situação relatada no manifesto assinado pelos 12 directores de serviços do Hospital de Beja; que medidas estão a ser tomadas para garantir o número de profissionais que assegure as escalas de urgência; e quando serão abertos procedimentos concurvais para as especialidades em carência na Unidade Local de Saúde do Baixo Alentejo.

João Ramos, em declarações à Planície, afirma que estas questões resultam do Manifesto apresentado pelos directores de serviços da ULSBA.
 



Leia esta notícia na integra na edição impressa do Jornal «A Planície»
Untitled Document Untitled Document Untitled Document
16 16
3 3
 
 

Nome:

Email:

 
 
 
 
 
Untitled Document
 
    © 2015 - Sociedade Editorial Bética, Lda