Há agricultores prejudicados por Bloco de Rega Moura/Póvoa/Amareleja não estar construído
Publicado | 2021-02-16 04:52:46
 
A seca que se sentiu nos últimos anos no Alentejo, prejudicou o olival de sequeiro, maioritário no concelho de Moura, fazendo com que o mesmo, entrasse em stress hídrico. A chuva que em Novembro caiu com alguma intensidade, juntamente com alguns dias de calor intenso, veio prejudicar o fruto.
 

O olivicultor e presidente da Cooperativa Agrícola Moura Barrancos, José Duarte, em entrevista à Planície sublinhou que “em relação ao ano agrícola, nós tivemos um verão muito longo, com muitos dias com temperaturas elevadas, o que fez com que os nossos olivais, que são maioritariamente de sequeiro, entrassem em stress hídrico. Como consequência disso, tiveram uma produção de azeitona muito baixa”. 

E acrescentou que “em relação à chuva, tivemos no início da campanha da azeitona, em Novembro, alguns dias de chuva, que associamos também a dias com temperaturas altas, que fez com que houvesse uma deterioração do fruto. Uma das consequências foi a perda ou a quebra de qualidade da azeitona e consequentemente do azeite”.

Em relação à chuva que tem caído nos primeiros meses de 2021, José Duarte refere que “a chuva que está a cair actualmente, fez com que se regularizassem todos os caudais dos rios e ribeiras. O caso mais sonante é a Barragem de Alqueva, que está perto da sua cota máxima e que em princípio irá atingi-la durante este ano”. 

E acrescenta, “em relação à Barragem, o facto de nós não termos no concelho de Moura, ainda, a construção do Bloco de Rega Moura/Póvoa/Amareleja, acaba por nos prejudicar um pouco em anos de sequeiro. Foi o que nos aconteceu no ano passado. Com uma seca muito grande, tivemos uma quebra nos nossos olivais tradicionais. Era importante que as instituições com responsabilidade, também demonstrassem o desagrado em relação ao atraso na construção do Bloco de Rega, que foi há cerca de 2 anos e meio, anunciado pelo Ministro da Agricultura de então Capoulas Santos”.

Sobre a próxima campanha, José Duarte adianta que “a chuva que está a cair nos olivais de sequeiro, vai ter um impacto positivo na produção da próxima campanha. Prevê-se que para o ano tenhamos uma boa produção nos nossos olivais tradicionais de sequeiro”.

 



Leia esta notícia na integra na edição impressa do Jornal «A Planície»
Untitled Document Untitled Document Untitled Document
20 19
13 11
 
 
 
 
 
 
 
 
Untitled Document
 
    © 2015 - Sociedade Editorial Bética, Lda