Alentejo - Projecto para diminuir o fosso digital entre as áreas urbanas e rurais
Publicado | 2021-01-09 04:36:47
 
O Alentejo tem um novo desafio na esfera digital: Auroral é o nome do projecto europeu, orçado em mais de 16 milhões de euros, e que é liderado, a nível europeu, pela Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Alentejo – CCDR-A.
 

A missão passa por “dotar as regiões rurais europeias de um ambiente digital integrado potenciador de serviços comparáveis aos das regiões economicamente mais densas”, através do reforço da conectividade e interoperabilidade de plataformas existentes, e, assim, diminuir o fosso digital entre áreas urbanas e rurais.

Para além da liderança da iniciativa europeia, o Alentejo vai ser ainda palco de quatro acções piloto para o desenvolvimento de comunidades rurais inteligentes.

O projecto, que se intitula Auroral – Architecture for Unified Regional and Open digital ecosystems for Smart Communities and wider Rural Areas Large scale application, arrancou oficialmente no início do mês e vai prolongar-se durante quatro anos. Durante esse tempo, espera-se que contribua para o crescimento económico e para a criação de emprego em zonas rurais, afectadas pelos desafios da baixa densidade populacional.

Ao desenvolver o ecossistema digital destas regiões, o projecto pretende também ajudar a reduzir as assimetrias no acesso digital entre as áreas urbanas e rurais. Reforçar a integração e interoperabilidade das plataformas existentes através de serviços de data brokerage desenvolvidos no âmbito do projecto são algumas das estratégias, que vão permitir, depois, desenvolver e prestar serviços às comunidades inteligentes envolvidas.

Com um orçamento global de 16,3 milhões de euros, o Auroral é financiado pelo programa comunitário Horizonte 2020, do qual irá receber cerca de 14,5 milhões de euros. Em território nacional, e com cerca de 2,6 milhões alocados à participação portuguesa, o projecto dá continuidade ao trabalho que a região do Alentejo tem já desenvolvido na área digital, reforçando esta componente em domínios como o património, cultura, indústrias criativas e turismo.

Segundo o portal do Auroral, Sines, São Pedro do Corval, Pias e Arronches são as quatro localidades portuguesas escolhidas para os pilotos, sendo que, em cada uma, a actuação do projecto está alinhada com eixos já definidos pela estratégia de desenvolvimento regional da ADRAL – Agência de Desenvolvimento Regional do Alentejo, que participa também na iniciativa. Em Sines, o foco está no empreendedorismo digital e desenvolvimento de incubadoras e clusters tecnológicos; São Pedro do Corval vai aproveitar a comunidade artística e a sua herança relacionada com o artesanato e a cerâmica; por sua vez, o envelhecimento saudável e a qualidade de vida serão os temas de Pias; e, por fim, em Arronches, o projecto vai debruçar-se sobre o uso eficiente dos recursos públicos na mitigação das alterações climáticas. Para além do Alentejo, o projecto contempla ainda pilotos em oito outras regiões europeias.

O consórcio do projecto junta parceiros de dez países europeus, incluindo Noruega, Finlândia, Áustria, Espanha, Grécia, Suécia, Eslováquia e Bélgica. Em representação nacional, para além da CCDR-A, que trabalha neste projecto com a ADRAL, está também a empresa Irradiare.

COLOCAR O ALENTEJO “NO CENTRO DA EUROPA”

Apesar de a data de arranque oficial do projecto ser o primeiro dia do ano, a liderança portuguesa organizou, na tarde de ontem, uma sessão on-line para o lançamento e “celebração” da aprovação da iniciativa. Entre os vários presentes no momento, estiveram Maria do Céu Antunes, ministra da Agricultura, o eurodeputado Carlos Zorrinho, António Vicente, chefe de representação adjunto da Comissão Europeia em Portugal, António Ceia da Silva e Carmen Carvalheira, presidente e vice-presidente, respectivamente, da CCDR-A, José Calixto, presidente da ADRAL, Elsa Nunes, CEO da Irradiare, e Marcos Nogueira, coordenador do Auroral e representante permanente da região do Alentejo em Bruxelas.

O reconhecimento da oportunidade que o projecto representa para a região do Alentejo foi unânime entre os oradores, que realçaram ainda a dificuldade de conseguir a aprovação para um projecto “desta dimensão” num programa “tão difícil e competitivo” como é Horizonte 2020. “[Com este projecto] Colocamos o Alentejo no centro da Europa”, exclamou Elsa Nunes.

Marcos Nogueira revelou que o Auroral conseguiu a primeira posição entre 22 candidaturas europeias, o que se deveu, entre outras coisas, ao facto de o Alentejo ter “sabido liderar [um] processo, em que se abriu espaço para que todos [os parceiros do consórcio] contribuíssem”. Para além disso, segundo o responsável, o projecto “serve a política europeia”, indo ao encontro daquilo que são “as posições da nova Comissão e que abordam directamente as assimetrias digitais entre as zonas urbanas e as rurais”, começando a actuação pelas “zonas menos servidas”. Na sua intervenção, Marcos Nogueira não quis deixar de chamar a atenção para um tema que, embora não seja o foco oficial do projecto, é também visado pela iniciativa e que se prende com o “problema de soberania digital europeia” face às gigantes tecnológicas mundiais. Perante isto, diz o especialista, a resposta da União passa pela “criação de redes de comunidades inteligentes, uma total interoperabilidade ou, mesmo, uma multi-interoperabilidade, em que todos contribuem e todos usam”. Dada a luz verde de financiamento, “não se pode falhar”, alertou o coordenador, lembrando que o Auroral vai ser também uma “marca de prestígio do Alentejo na capacidade de liderar e cooperar”.

Para o presidente da CCDR-A, o projecto é “uma grande vitória para Portugal e para o Alentejo”, num momento em que a pandemia e o aumento do teletrabalho trazem uma oportunidade às comunidades rurais para atrair população e empresas. Por esse motivo, no que se refere às comunidades inteligentes, a actuação da CCDR-A não se cinge ao Auroral e Ceia da Silva revelou estar a encetar esforços para a realização de “uma cimeira europeia de smart communities”, a acontecer em Maio, no âmbito do Dia da Europa e integrada na presidência portuguesa da União Europeia.

TIC

 



Leia esta notícia na integra na edição impressa do Jornal «A Planície»
Untitled Document Untitled Document Untitled Document
20 19
13 11
 
 
 
 
 
 
 
 
Untitled Document
 
    © 2015 - Sociedade Editorial Bética, Lda