“2020 foi um ano para esquecer” Agricultura no Baixo-Alentejo
Publicado | 2020-12-30 04:18:03
 
O ano agrícola de 2020 no Baixo-Alentejo, foi completamente atípico, não só devido à pandemia, mas também devido à chuva que surgiu fora de época, que foi boa para as barragens e para terminar a seca que se fazia sentir, mas foi desastrosa para algumas culturas.
 

O presidente da Associação dos Agricultores do Baixo Alentejo, (AABA), Francisco Palma, no balanço que fez à Planície sobre a situação agrícola deste ano, que agora termina, sublinhou que foi um ano para esquecer.

“Este ano é bissexto, e como diz o ditado popular, cabe a seara toda num cesto, e de facto não só a seara como todas as outras culturas aqui do Alentejo”, referiu o agricultor. “Realmente foi um ano completamente diferente, já não falo só da pandemia, mas falo também das chuvas, que vieram muitas vezes fora de horas. Este último final de ano veio com alguma água, o que foi bom por causa das barragens, mas, no entanto, as culturas, nomeadamente as permanentes, como as vinhas e o olival foi algo desastroso para as mesmas. Esperamos que o próximo ano seja melhor. Este foi mau por causa dos preços, por causa dos rendimentos e, portanto, pode-se dizer que foi um ano para esquecer”. Acrescentou Francisco Palma.

Ano agrícola de 2020 no Baixo-Alentejo um ano desastroso devido a vários factores desde a pandemia, a chuva, os preços e a perda de rendimento dos agricultores.

 



Leia esta notícia na integra na edição impressa do Jornal «A Planície»
Untitled Document Untitled Document Untitled Document
20 19
13 11
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Untitled Document
 
    © 2015 - Sociedade Editorial Bética, Lda