Produtores de porco alentejano satisfeitos com apoio do Governo
Publicado | 2020-11-20 04:53:25
 
Foi publicada a portaria com a medida excepcional no PDR2020 no valor de 12,2 milhões de euros aprovada pela Ministra da Agricultura, Maria do Céu Antunes, para minimizar os impactos económico-financeiros causados pela pandemia Covid-19.
 

Esta medida visa apoiar os sectores onde os efeitos económicos negativos decorrentes da pandemia foram acentuados, e nos quais é possível avaliar o impacto, pela redução dos preços ou perdas de mercado em resultado da diminuição da procura.

Este apoio, através de um pagamento forfetário, destina-se aos sectores da carne de aves, ovos, carne de suíno (leitões para abate - com majoração para raças autóctones, nomeadamente para o porco bísaro e o malhado de Alcobaça - e porco alentejano para montanheira) e leite de pequenos ruminantes.

Para o deputado do PS, eleito por Beja e presidente da Comissão Parlamentar de Agricultura e Mar, Pedro do Carmo, esta “é uma boa noticia. Era um compromisso que estava assumido e foi de uma luta que efectivamente tivemos, visto que a fileira do porco alentejano e outras raças autóctones em outras regiões do país e de outras espécies tinham que ser protegidas e contempladas neste momento de pandemia”.

“Senão o fizéssemos, hipotecávamos o futuro destas fileiras. Por isso é um apoio que é dado agora suinicultores e agricultores em geral, para que se mantenha a fileira e que no próximo ano haja melhores momentos”. Acrescentou Pedro do Carmo.

Por sua vez o presidente da Associação de Criadores de Porco Alentejano (ACPA), Nuno Faustino, saudou e considerou "essencial" o apoio do Governo para "minimizar os prejuízos" causados pela pandemia de covid-19 nesta fileira pecuária.

Por outro lado, frisou, o apoio é "tão mais importante no sentido em que vem dar um sinal de que o Estado está preocupado e quer que esta fileira continue".

Nuno Faustino disse que, a par do apoio do Governo, a ACPA está a negociar com algumas instituições bancárias uma linha de crédito para os produtores de porco alentejano poderem "garantir a liquidez necessária".

Segundo o presidente da ACPA, a dependência da fileira do porco alentejano relativamente ao mercado espanhol "é brutal", já que cerca de 90% da produção vai para o país vizinho.

Em média, por ano, são vendidos vivos para Espanha 6.000 porcos alentejanos de montanheira (alimentados e engordados no montado) de cerca de 50 criadores do concelho de Ourique, num volume de negócios que ascende a 3,5 milhões de euros, indicou.

Estes números caíram drasticamente em 2020, porque a pandemia provocou uma quebra nas vendas de presunto e outros derivados do porco alentejano e, consequentemente, o cancelamento das encomendas que muitas indústrias espanholas tinham, apesar dos contractos plurianuais em vigor, lamentou Nuno Faustino.

 



Leia esta notícia na integra na edição impressa do Jornal «A Planície»
Untitled Document Untitled Document Untitled Document
20 19
13 11
 
 
 
 
 
 
 
 
Untitled Document
 
    © 2015 - Sociedade Editorial Bética, Lda