APG/GNR reivindica um estatuto remuneratório digno
Publicado | 2020-10-08 04:11:29
 
A Associação dos Profissionais da Guarda, (APG/GNR), emitiu um comunicado em que refere que “perante a ausência de respostas da Tutela a questões fundamentais, designadamente a necessidade de ser revisto o sistema remuneratório, de ser contabilizado integralmente o tempo de serviço em que vigorou o congelamento das carreiras, de ser fixado um suplemento de risco e de a nossa profissão ser reconhecida como sendo de desgaste rápido” vai continuar as suas reivindicações.
 

O vice presidente da Associação, José Miguel sublinhou à Planície que “a APG reuniu com o novo Comandante Geral da GNR  e fizemos transportar as preocupações que nós temos e que já vêem de trás. A passagem de comando não deixou nada de novo, apenas deixou assuntos pendentes”.

“A APG/GNR não aceita que a pandemia sirva de desculpa para tudo e, se serviu de mote, na cerimónia de ingresso dos oficiais da GNR do passado dia 2 de Outubro, para um discurso com rasgados elogios à actuação dos profissionais da Guarda durante o Estado de Emergência, também está a servir de desculpa para que as negociações com a Tutela, sobre questões remuneratórias e outras continuem suspensas”, pode ler-se no comunicado.

José Miguel refere que “aquilo que é o nosso descontentamento básico neste momento é o nosso estatuto remuneratório, que gostaríamos que fosse revisto. Ganhar 789 euros, para o trabalho que desenvolvemos, este valor tido como uma base comparado com o salário mínimo nacional, daqui a pouco estamos a receber o salário mínimo. Recebemos menos para as mesmas funções que a força congénere, a PSP, temos uma progressão na carreira mais lenta, fomos discriminados na contabilização do tempo de congelamento das carreiras.  

Dignificar as funções dos profissionais da GNR e reconhecer o seu papel no Estado de direito democrático é sobretudo proporcionar-lhes um Estatuto profissional digno”.   

A APG/GNR não aceita serem tratados como polícias de segunda e militares de terceira.

 



Leia esta notícia na integra na edição impressa do Jornal «A Planície»
Untitled Document Untitled Document Untitled Document
20 19
13 11
 
 
 
 
 
 
 
 
Untitled Document
 
    © 2015 - Sociedade Editorial Bética, Lda